Yves Herman/Pool via REUTERS
Yves Herman/Pool via REUTERS

Com peixes, caminhões e submarinos, Reino Unido e França brigam sobre o Brexit

Disputa sobre direitos de pesca ilumina desacordo mais amplo e fundamental sobre a decisão britânica de deixar a União Europeia

Mark Landler e Norimitsu Onishi, The New York Times, O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2021 | 16h55

LONDRES - À primeira vista, a disputa desagradável que eclodiu na semana passada entre o Reino Unido e a França se deu em torno dos direitos de pesca de algumas dezenas de traineiras francesas que navegam nas águas britânicas ao largo da ilha de Jersey. Como acontece muitas vezes entre vizinhos, no entanto, as raízes da rivalidade são muito mais profundas.

O Reino Unido e a França estão em desacordo desde que os britânicos deixaram a União Europeia, há dois anos. Eles discutiram sobre a segurança de uma vacina contra o coronavírus britânica e uma aliança submarina que uniu Reino Unido, Austrália e Estados Unidos, mas deixou a indignada França de lado. Em um ponto, o tumulto de pesca levou ambos a enviar navios da Marinha para Jersey.

A política doméstica está desempenhando um papel. Para o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, iniciar uma disputa entre canais atrai sua base pró-Brexit e é uma distração barulhenta em uma época de escassez de combustível e alimentos. Para o presidente francês, Emmanuel Macron, as tensões são úteis para sua candidatura à reeleição na França, visto que ele enfrenta um desafio da direita nacionalista.

Acusações de intimidação e má-fé também podem dar ao Reino Unido uma desculpa para romper o pacto comercial que negociou com a União Europeia para a Irlanda do Norte -- algo que vem se deteriorando desde que Johnson e Macron entraram em uma briga por salsichas em uma reunião de cúpula na Cornualha em junho passado.

Em seu cerne, o confronto, que diplomatas dizem ser o mais amargo de que se lembram, é sobre quem vai escrever o primeiro rascunho da história: a França está determinada a mostrar que o Brexit não funcionou; o Reino Unido está desesperado para mostrar que sim.

“É muito mais do que peixe”, disse Peter Ricketts, ex-embaixador britânico na França. “É essencialmente ainda sobre o Brexit.”

A França, ao reagir de forma tão veemente ao que afirma ser a recusa do Reino Unido em cumprir as disposições sobre a pesca em seu acordo pós-Brexit com Bruxelas, está enviando uma mensagem a Londres de que deixar a União Europeia não será gratuito, disse ele. 

“Os franceses foram claros ao dizer: ‘você não pode ter os mesmos benefícios se não estiver na UE’”, disse Ricketts. “Uma de suas maiores queixas é que o governo Johnson quer ter seu bolo e comer o bolo da UE também.”

Ao mesmo tempo, o Brexit rompeu os laços que mantinham o Reino Unido e a França unidos como parceiros no projeto europeu, injetando um elemento mais competitivo em seu relacionamento e aumentando a tentação de usar um ao outro como contrapeso.

Sylvie Bermann, que recentemente serviu como embaixadora da França no Reino Unido, comparou o Brexit a um divórcio e disse que era natural que levasse algum tempo para as feridas cicatrizarem. Cada lado está cuidando dessas feridas de maneiras diferentes.

Johnson, disse ela, fez da França um bode expiatório para os problemas agravados pelo Brexit, como a falta de caminhoneiros que fez com que os postos de gasolina ficassem sem gasolina. Macron, que ficou magoado quando a Austrália abandonou a França pela aliança submarina com o Reino Unido e os Estados Unidos, quer mostrar que seu país é mais forte dentro da União Europeia do que seria sozinho, como o Reino Unido é.

“Não pedimos a eles que se tornassem um terceiro país”, disse Bermann. “Gostaríamos que eles ficassem. Eles fizeram sua escolha e nós respeitamos isso. Mas agora eles não podem desfrutar das vantagens e de uma liberdade total.”

Em uma atmosfera tão suspeita, até mesmo disputas rotineiras podem gerar metástases rapidamente. A última discussão envolve o licenciamento de barcos franceses para pescar em águas de até seis milhas da costa da Inglaterra e da Ilha do Canal, onde os franceses pescam há centenas de anos. O valor total da captura em questão é de 6 milhões de euros por ano, menos do que um erro de arredondamento na produção econômica de US$ 2,6 trilhões da França.

Mas a indústria pesqueira tem um simbolismo desproporcional ao seu tamanho. Para dois países orgulhosos que são mais semelhantes do que diferentes -- inimigos que resistiram à Conquista Normanda, às Guerras Napoleônicas e até mesmo ao zombador Franglais de Johnson ("Donnez moi un break", disse ele recentemente) -- o simbolismo é importante.

Macron ameaçou retaliar impondo controles mais rígidos aos caminhões que cruzam a fronteira do Reino Unido para a França, no que pode rapidamente se transformar em uma guerra comercial. Ele segurou o fogo depois de encontrar Johnson em Roma no último domingo. Os dois concordaram em tentar chegar a um acordo e, na quinta-feira, o negociador britânico do Brexit, David Frost, encontrou-se com o ministro da França para assuntos europeus, Clément Beaune, para o que os britânicos descreveram como uma chance de "expor suas posições e preocupações". Eles se encontrarão novamente na próxima semana.

Mas os encontros diplomáticos parecem importar menos do que os teatrais nos bastidores. Antes do encontro supostamente positivo entre Macron e Johnson, o primeiro-ministro da França, Jean Castex, escreveu uma carta contundente à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, instando-a a exigir que o Reino Unido cumprisse seu acordo.

Era importante, escreveu Castex, para Bruxelas mostrar que “é tão prejudicial deixar a União quanto permanecer nela”.

As autoridades britânicas aproveitaram isso como prova de que a França queria punir o Reino Unido pelo Brexit. Os franceses disseram que os britânicos interpretaram mal essa linha deliberadamente para torná-la mais inflamada, embora alguns diplomatas reconheçam que os franceses têm alguma culpa pela escalada da situação, com o que Gérard Araud, ex-embaixador francês em Washington, descreveu como uma formulação "muito desajeitada".

O episódio foi revelador porque revelou a “total falta de confiança entre os europeus e Johnson”, disse ele.

Em nenhum lugar essa desconfiança é mais palpável, disseram diplomatas, do que entre Macron, um ex-banqueiro de 43 anos, e Johnson, um ex-jornalista de 57 anos. “Tanto em Londres quanto em Paris, há uma sensação de que a relação não será consertada enquanto Macron estiver no Palácio do Eliseu e Johnson for o premiê”, disse Peter Westmacott, que precedeu Ricketts como embaixador britânico na França.

A saída do Reino Unido da União Europeia foi um golpe especial para Macron porque perturbou o equilíbrio de poder que existia entre os três grandes Estados do bloco: Reino Unido, França e Alemanha. Agora, Macron está lutando para afirmar a liderança da França em uma Europa dominada pela Alemanha.

“A França e Macron fizeram da UE um pilar central de sua política interna e externa '', disse Georgina Wright, uma especialista britânica em relações entre a França e o Reino Unido no Institut Montaigne, uma organização de pesquisa em Paris. “É muito difícil para ele cooperar com o governo do Reino Unido, que continua a ter um tom muito antagônico em relação à UE.”

Em casa, Macron está liderando as pesquisas, mas enfrenta um grande desafio da direita. Todos os seus principais rivais expressam ceticismo em relação à União Europeia, embora nenhum defenda a separação da união. Éric Zemmour, um provocador astro de TV e escritor de extrema direita que subiu para o segundo lugar na maioria das pesquisas, disse que o Reino Unido venceu a batalha do Brexit e defende uma França mais forte na Europa. O mesmo faz Marine Le Pen, que está em terceiro lugar na votação.

Diante desses desafios, “a mensagem de Emmanuel Macron é afirmar que ser membro da UE acarreta obrigações e direitos, e que a França participa de todos os aspectos da política europeia”, disse Thibaud Harrois, especialista em relações franco-britânicas na Universidade da Nova Sorbonne.

Ao contrário do Reino Unido, no entanto, onde as tensões com a França preocupam Downing Street e alimentam manchetes em tabloides pró-conservadores, a linha dura de Macron em relação ao Reino Unido é principalmente um cálculo político. Há poucas evidências de que o sentimento anti-britânico galvaniza a população em geral.

Para Londres, no entanto, as lutas por peixes pressagiam uma batalha muito maior em seu relacionamento com a União Europeia. Espera-se agora que o Reino Unido revogue seu acordo com Bruxelas sobre como tratar a Irlanda do Norte.

Johnson afirma que o acordo interrompeu o comércio entre o Reino Unido continental e a Irlanda do Norte. A União Europeia ofereceu soluções, mas se recusou a fazer concessões que ameaçariam seu mercado único.

Os analistas agora esperam que Johnson acione uma cláusula que invalida o acordo algum tempo depois que a cúpula do clima global na Escócia terminar na próxima semana. Pode-se esperar que Macron defenda uma forte contra-ofensiva da União Europeia, razão pela qual uma rixa por peixes em Jersey pode se transformar em uma guerra comercial completa.

“Estamos prevendo um aumento substancial nas tensões, e a perna francesa será uma grande parte disso”, disse Mujtaba Rahman, analista da consultoria de risco político Eurasia Group. “Depois disso, tudo se torna muito complicado do ponto de vista jurídico, político e econômico.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.