AFP PHOTO / POOL / YVES HERMAN
AFP PHOTO / POOL / YVES HERMAN

Com poucas opções, Irã e Europa tentam salvar acordo nuclear

Chanceler iraniano se reúne com equivalentes de Reino Unido, França e Alemanha para buscar um caminho para manter o pacto de 2015 e contornar as novas sanções ordenadas pelo presidente americano, Donald Trump

O Estado de S.Paulo

15 Maio 2018 | 16h10

BRUXELAS - Europa e Irã buscam uma frente comum nesta terça-feira, 15, para salvar o acordo nuclear sem os Estados Unidos, embora alguns diplomatas individualmente duvidem que ele possa sobreviver à reimposição de sanções dos EUA determinada pelo presidente Donald Trump.

EUA querem negociar novo acordo nuclear com europeus

O ministro de Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, chegou em Bruxelas para uma reunião com seus equivalentes de Reino Unido, França e Alemanha ainda nesta terça-feira, pouco depois de Washington anunciar novas sanções sobre autoridades financeiras do Irã.

Zarif teve uma reunião “boa e construtiva” com a chefe de política exterior da União Europeia Federica Mogherini, acrescentando que as negociações com os três países europeus continuariam nas próximas duas semanas. “Estamos no caminho certo para seguir adiante”, disse ele. “O que for decidido deverá preservar e garantir os direitos do Irã.”

Apesar das dúvidas pessoais entre muitos diplomatas europeus, seus governos dirão que eles cumprirão com o acordo de 2015 que deu a Teerã a suspensão das sanções em troca de um fim às suas ambições nucleares.

O que é o acordo nuclear com o Irã e por que ele é criticado?

Segundo a agência de notícias Fars, o chefe nuclear do Irã, Ali Akbar Salehi, disse que não estava otimista quanto às perspectivas das negociações com os europeus.

O acordo entre o Irã e seis potências mundiais retirou a maior parte das sanções internacionais em 2016 em troca de Teerã limitar seu programa nuclear, sob rígida supervisão das Nações Unidas. / REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Europa [continente] Irã [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.