Com renúncia, gabinete palestino agradou Israel

A renúncia do gabinete de Yasser Arafat após uma queda de braço com o Parlamento pareceu agradar aos palestinos em geral. A maior parte dos ministros é considerada corrupta e ineficiente, mas os críticos de Arafat não dirigiram seus comentários ao líder palestino.A renúncia do gabinete foi um duro golpe contra o prestígio de Arafat. O líder palestino foi enfraquecido nos últimos mesesdevido à diminuição do apoio internacional, aos restritivos bloqueios israelenses e à insatisfação generalizada com seu governo.No entanto, as rusgas com o Parlamento não colocam diretamente em risco a sobrevivência política de Arafat, que parece preparado para concorrer à reeleição em janeiro ? e provavelmente vencer.Como parte da queda de braço com o Parlamento, na quarta-feira, o líder palestino estabeleceu 20 de janeiro de 2003 como data para as eleições presidenciais e parlamentares. No entanto, havia incertezas ainda hoje sobre se o pleito será mesmo realizado.Funcionários palestinos reclamam ser impossível realizar eleições em meio à ocupação israelense de territórios palestinos autônomos.Tayeb Abdel Rahim, um conselheiro de Arafat, reiterou nesta quinta-feira que, antes da votação, os soldados israelenses terão de recuar seus soldados às posições anteriores a 28 de setembro de 2000, quando teve o início o atual conflito palestino-israelense.A comunidade internacional "deveria agir imediatamente para garantir a retirada israelense", pediu hoje Abdel Rahim.Israel alega que "só poderá recuar seus soldados quando houver calma". "Deixem os palestinos pararem a atividade terrorista, pararem de apoiar o terror, e então eles poderão ter eleições", condicionou Raanan Gissin, um conselheiro do primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon.Hoje, o governo norte-americano manifestou-se satisfeito com arenúncia forçada do gabinete palestino. "Acreditamos que isto éum bom começo", disse uma fonte.Funcionários palestinos acusam os Estados Unidos de tentaremadiar a qualquer custo as eleições presidenciais com o objetivode ganhar tempo para encontrar formas de excluir Arafat doprocesso político.Uma das propostas é permitir que um novo Parlamento eleitoescolha um primeiro-ministro, obrigando Arafat a compartilhar opoder. O líder palestino resiste aos esforços para limitar suaautoridade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.