Com sanções, EUA tentam atingir círculo financeiro de Putin

Quando o governo Obama impôs sanções contra magnatas russos no mês passado, em resposta à intervenção armada de Moscou na Ucrânia, um dos alvos foi Gennadi N. Timchenko, sócio da empresa Gunvor Group.

Peter Baker*, The New York Times/O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2014 | 02h05

Para chamar a atenção do presidente russo, Vladimir Putin, o comunicado do Departamento do Tesouro anunciou que "Putin tem investimentos na Gunvor e pode ter acesso aos fundos da empresa". Com sede na Suíça, a Gunvor teve receita de US$ 91 bilhões em 2013 e alegou ter fornecido documentos que negam qualquer ligação com Putin.

Há 15 anos, a suspeita de que Putin possui uma fortuna secreta desperta especulações. Estimativas já sugeriram que o presidente russo pode controlar até US$ 70 bilhões, o que faria dele o chefe de Estado mais rico da história mundial.

Com as novas sanções a russos que aparentemente pertencem ao círculo financeiro de Putin, o governo Obama sugere que sabe onde o líder russo tem guardado seu dinheiro e ele acabará sendo afetado.

"A questão não será tratada com delicadeza", disse Juan C. Zarate, assessor da Casa Branca. Mas sanções diretas contra Putin, o que equivaleria a uma escalada "nuclear", não serão impostas no curto prazo.

No ano passado, o presidente russo declarou renda de apenas US$ 102 mil, segundo o Kremlin. Putin rejeita de maneira grosseira suspeitas sobre sua fortuna pessoal. "É apenas fofoca que não vale a pensa discutir", disse em 2008.

Integrantes do governo Obama insistem na divulgação de detalhes conhecidos nos EUA sobre a fortuna de Putin. Senadores vêm exigindo também a publicação do valor total estimado. Em telegramas diplomáticos obtidos pelo WikiLeaks, o assunto é recorrente. Eles ligam Putin não apenas à Gunvor, mas também à Surgutneftegaz e à Gazprom, a estatal do petróleo. Num deles, é citado um executivo da General Electric, que teria dito que Vladimir I. Yakunin, presidente da Russian Railways, "realizou consideráveis pagamentos em dinheiro a Putin", que teria uma fortuna "muito acima de US$ 10 bilhões".

Em 2007, após avaliação secreta feita pela CIA da fortuna de Putin, um analista político russo afirmou que o líder tinha participações na Gunvor, Gazprom e Surgutneftegaz que somavam, na época, US$ 40 bilhões.

*Peter Baker é colunista.

TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.