Koji Sasahara / AP Photo
Koji Sasahara / AP Photo

Com tristeza, mas sem cerimônia, o Japão marca aniversário de desastre

O terremoto e o tsunami de 11 de março de 2011 provocaram o pior acidente nuclear desde Chernobyl na usina nuclear Fukushima-Daiichi, a 220 quilômetros a nordeste de Tóquio.

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2020 | 03h40

O Japão marcou o sombrio aniversário de nove anos de desastres naturais devastadores e um acidente nuclear nesta quarta-feira, 11, quando as comemorações e vigílias oficiais foram canceladas por causa dos temores sobre a disseminação do coronavírus.

O terremoto e o tsunami de 11 de março de 2011 provocaram o pior acidente nuclear desde Chernobyl na usina nuclear Fukushima-Daiichi, da Tokyo Electric Power (Tecpo), a 220 quilômetros a nordeste de Tóquio.

Os desastres naturais e o colapso da fábrica de Fukushima forçaram centenas de milhares de moradores a fugir de suas casas.

O secretário-chefe do Gabinete do Japão, Yoshihide Suga, elogiou nesta quarta-feira os esforços de recuperação em andamento no nordeste do Japão, mas reconheceu os desafios que ainda existem na prestação de cuidados psicológicos e outros serviços aos evacuados.

O primeiro-ministro Shinzo Abe realizará uma pequena cerimônia memorial à tarde e observará um momento de silêncio no momento em que ocorreu o desastre de 2011.

"Acho que havia outras maneiras de lidar (com o memorial)", disse Natsumi Hoshi, 42 anos, moradora de Tóquio, que estava entre um grupo de pessoas reunidas em um parque da cidade para colocar flores.

"Acho que as pessoas ainda estão sofrendo", disse ele.

Apesar dos muitos sinais de recuperação no nordeste do Japão, alguns moradores ainda não conseguem morar nas áreas mais próximas à fábrica de Fukushima. Os níveis de radiação nessas áreas permanecem altos, apesar dos esforços repetidos de descontaminação.

"Acho que a memória (do desastre) está desaparecendo", disse Masahiko Sano, dono de uma empresa de 47 anos, que também participou do evento no parque.

O governo cancelou um evento memorial que estava marcado para quarta-feira, quando o Japão procurou conter um surto crescente de coronavírus, SARS-CoV-2. O país fechou escolas, parques temáticos e zoológicos, como parte de seu esforço mais amplo para reduzir eventos públicos e reuniões de massa para retardar a transmissão do vírus.

O Japão tem quase 1.300 casos, incluindo cerca de 700 do navio Diamond Princess que foi colocado em quarentena perto de Tóquio no mês passado. O vírus infectou mais de 111.000 pessoas e matou mais de 4.000 em todo o mundo. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Japão [Ásia]tsunamicoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.