Com US$ 20 bilhões, China enche cofres de Chávez

A Venezuela obteve no fim de semana um empréstimo de US$ 20 bilhões da China. O dinheiro será utilizado, pelo menos em parte, na construção de estradas e obras de infraestrutura, segundo o presidente Hugo Chávez. A injeção de recursos pode trazer um alívio financeiro ao governo venezuelano a cinco meses da eleição legislativa, que será um termômetro da popularidade do presidente.

AE, Agência Estado

20 de abril de 2010 | 08h09

Estudo do banco Morgan Stanley, divulgado em março, defende que a Venezuela pode ter falta de divisas em 2010 em razão da queda na produção de petróleo - passou de 3,7 milhões de barris diários, em 1997, para 2,2 milhões atualmente. O petróleo responde por 94% das exportações da Venezuela e uma menor produção significa que o país receberá menos dólares, em um cenário de preços estáveis. Para analistas, o aumento recente da cotação do petróleo pode não ser suficiente para compensar a queda na produção.

O empréstimo de US$ 20 bilhões que dará fôlego a Chávez terá como garantia o fornecimento de petróleo à China por dez anos, em um modelo semelhante ao financiamento de US$ 10 bilhões concedido à Petrobras no ano passado. Além disso, a PetroChina assinou um memorando com a estatal venezuelana PDVSA para a explorar o campo de Junin 4, na Bacia do Orinoco. O acordo, que ainda precisa ser ratificado, tem prazo de 25 anos e prevê investimentos de US$ 16 bilhões. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.