AP Photo/Frank Augstein
AP Photo/Frank Augstein

Com vacinação avançada, Reino Unido inicia processo de reabertura

Após aplicar 30 milhões de doses da vacina, britânicos começam a revisar protocolos de lockdown e restabelecer a 'normalidade'

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2021 | 12h59

LONDRES - Após aplicar a primeira dose da vacina contra a covid-19 em mais de 30 milhões de pessoas, o Reino Unido começou a retirar as medidas restritivas para a maior parte de sua população nesta segunda-feira, 29.

Na Inglaterra, estão liberadas reuniões ao ar livre em grupos de até seis pessoas após o fim da ordem de permanência em casa em vigor desde o início de janeiro. Locais para prática de esportes ao ar livre, como quadras de tênis, de basquete e piscinas, também foram reabertas.

Atividades não essenciais e refeições em espaços abertos devem ser retomadas a partir de 12 de abril. Estudantes já voltaram às aulas no início deste mês.

Apesar dos avanços, o primeiro-ministro Boris Johnson enfatizou a necessidade de as pessoas serem cautelosas. Em comunicado na noite de domingo, 28, Johnson disse: "Devemos permanecer cautelosos, com casos aumentando em toda a Europa e novas variantes ameaçando nossa vacinação. Todos devem continuar a cumprir as regras".

Na Escócia e no País de Gales, as medidas restritivas também foram flexibilizadas. Na Irlanda do Norte, os protocolos de prevenção da covid-19 serão revisados em abril.

O relaxamento das restrições está sendo acompanhado por uma campanha publicitária que mostra por que ficar junto em ambientes fechados com pessoas de outras famílias ainda é perigoso. O governo também está divulgando o conselho de um psicólogo sobre como as pessoas podem resistir à pressão de amigos e parentes para quebrar as regras do isolamento social.

Para muitos, a flexibilização foi recebida com um misto de otimismo e cautela após meses de lockdown - o terceiro do país. O atual bloqueio começou em janeiro, depois que uma nova variante do coronavírus varreu o país, registrando até 60 mil casos diários e 1.800 mortes em seu pico. 

No domingo, 28, o país registrou 3.862 casos e 19 mortes, de acordo com um banco de dados do jornal americano The New York Times. Londres não relatou nenhuma morte pelo vírus no domingo, de acordo com o Public Health England.

Se nenhum relatório for adicionado posteriormente - os números ainda não foram finalizados - seria o primeiro dia da capital sem uma morte por vírus desde setembro. As autoridades esperam que uma flexiblização gradual retire em grande parte as restrições à socialização na Inglaterra até 21 de junho.

Viagens ao exterior para residentes ingleses, no entanto, continuam proibidas. Uma força-tarefa vai revisar a regra no próximo mês. As autoridades alertaram que as pessoas ainda devem trabalhar em casa sempre que possível e minimizar os contatos./ Com informações do The New Tork Times

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.