Coma de Sharon preocupa médicos

Médicos vêm expressando cada vez mais preocupação com o fato de que o primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, não mostrar sinais de despertar do coma induzido, informa a mídia israelense. Oficialmente, o hospital onde Sharon está internado diz que o estado do premier é "crítico mais estável". Nove dias depois de sofrer um derrame, Sharon segue com a condição inalterada, de acordo com a nota do Hospital Hadassah. O político, de 77 anos, foi posto em coma induzido para ganhar tempo para recuperar-se do derrame de 4 de janeiro. Nos últimos dias, os médicos vêm reduzindo os sedativos. No entanto, a condição do premier parece melhorar apenas levemente, com pequenos movimentos dos membros em resposta a dor. Representantes dos Hospital Hadassah e médicos, citados pelo Canal 10 da TV israelense e pela Rádio do Exército, manifestam preocupação com o fato de Sharon não dar mostras de emergir do coma. No entanto, o porta-voz do hospital, Ron Krumer, diz que não há um cronograma fixado para quando o premier deverá abrir os olhos.A demora para o despertar levanta temores de dano cerebral. "Se não houvesse dano, esperaríamos que ele já estivesse acordado neste ponto", disse o médico John Mortimer, professor de medicina cardiovascular do University College de Londres. Martin não participa do tratamento de Sharon.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.