Comandante americano diz que insurgência no Iraque é difícil de ser combatida

Sean B. MacFarland, comandante das forças norte-americanas na região de Anbar, no Iraque, afirmou nesta sexta-feira que a insurgência na província pode ser combatida apenas depois que as tropas americanas deixarem o país."Insurgência é algo muito difícil de combater em um período de tempo determinado, precisamos de perseverança e persistência", disse MacFarland, comandante da Primeira Brigada americana no Iraque. A afirmação foi feita durante uma vídeo conferência com o Pentágono."Quem sabe o quanto isso vai durar?", acrescentou. "Mas se baixarmos os níveis de violência a um ponto nos quais as forças iraquianas possam atuar, a insurgência deve acabar", considerou. "E os insurgentes só vão deixar de atuar quando o comando estiver com os iraquianos, que sempre serão vistos com mais legitimidade do que os americanos", segundo ele.As tropas comandadas por MacFarland lutam na cidade de Ramadi, capital da província de Anbar, onde os insurgentes estão entrincheirados de tal forma que na cidade não há um líder iraquiano.Segundo ele, recentemente a situação contra a Al-Qaeda, que se posicionou contra o governo iraquiano, começou a mudar. "A situação está começando a virar a nosso favor", afirmou.MacFarland descreveu a situação da batalha em Ramadi durante a conferência, afirmando que os ataques contra as forças americanas e iraquianas caíram de 20 para 15 por dia, além de terem se tornado menos agressivos.Segundo ele, líderes xiitas têm cooperado com as tropas na luta contra os insurgentes, sendo que a polícia americana tem sido mais eficiente na região.Na segunda-feira, o Departamento de Defesa anunciou que a brigada de MacFarland deve permanecer em Anbar por 46 dias a mais do que o previsto, o que significa que aproximadamente 4 mil soldados vão permanecer 12 meses a mais no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.