Comandante britânico diz que é preciso "prender ou matar" Saddam

As tropas aliadas que invadiram o Iraqueprecisam capturar ou assassinar o presidente deposto Saddam Hussein para evitar a "balcanização" do conflito no país, disse o general britânico Freddy Viggers, em entrevistapublicada nesta terça-feira pelo jornal The Times. De acordo com Viggers, recém-indicado comandante das tropas britânicas em Bagdá, as forças lideradas pelos EUA no território ocupado precisam dar provas de que o regime de Saddam no Iraque acabou."É perfeitamente compreensível que existam pessoas que, enquanto não tiverem certeza absoluta de que Saddam morreu, ficarão temerosas" com relação a seu possível retorno, escreveuo The Times, citando uma entrevista concedida ontem por Viggers.Para o comandante britânico, que serviu na Bósnia como membro de uma missão de manutenção de pazenviada pela Otan após o conflito no país dos Bálcãs, ?a crença popular (no Iraque) é a de que Saddam ainda está vivo, a não ser que provemos o contrário".Viggers disse ao The Times que as tropas americanas ao norte de Bagdá são alvos constantes de ataques promovidos por ex-membros do proscrito Partido Baath, de Saddam. Indicou que as forças aliadas permanecerão no Iraque até a formação de um novo governo capaz de manter suas próprias forças de segurança e preservar-se no poder."Os iraquianos querem nossa saída e nós também queremos sair", garantiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.