Comandante das Forças Armadas pede que Evo renuncie para pacificar Bolívia

Em entrevista, general Williams Kaliman diz que presidente deve deixar o cargo para permitir a 'manutenção da estabilidade' do país

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2019 | 17h16

LA PAZ - O comandante-chefe das Forças Armadas e da Polícia da Bolívia, o general Williams Kaliman, pediu neste domingo ao presidente Evo Morales que renuncie, em meio a protestos por sua questionada reeleição na votação de 20 de outubro.

Mais cedo, Evo anunciou a convocação de novas eleições presidenciais e a renovação do quadro de magistrados do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) depois que a Organização dos Estados Americanos (OEA) apontou uma série de irregularidades na votação.

“Após analisar a situação conflituosa interna, pedimos ao presidente de Estado que renuncie a seu mandato presidencial permitindo a pacificação e a manutenção da estabilidade, pelo bem da nossa Bolívia”, disse o general Kaliman à imprensa.

O pedido do chefe militar foi acompanhado também pelo comandante-geral da polícia boliviana, general Vladimir Yuri Calderón. “Nos somamos ao pedido do povo boliviano de sugerir ao senhor presidente Evo Morales que apresente sua renúncia para pacificar o povo da Bolívia". / AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Bolívia [América do Sul]Evo Morales

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.