Comandante do Exército manifesta apoio a Chávez

O comandante-geral do Exército venezuelano, general Jorge García Montoya, manifestou nesta segunda-feira seu apoio ao presidente Hugo Chávez e condenou duramente a greve geral convocada por líderes da oposição, qualificando-a de "sabotagem" e "agressão contra a sobrevivência do Estado". Em discurso à nação no 15º dia da greve, Montoya prometeu que o Exército impedirá o colapso do país e conclamou a população a repudiar os líderes de oposição. "O Exército tem suas melhores capacidades preparadas para impedir que prospere essa aposta pelo colapso econômico e social da nação", afirmou o general, no mais explícito pronunciamento da cúpula militar a respeito do movimento oposicionista. Montoya disse que a paralisação na petrolífera estatal PDVSA "constitui uma sabotagem contra a principal fonte de riqueza" da Venezuela. "Esse ataque contra interesses vitais é uma campanha que quer ver como legítima uma situação que expõe os venezuelanos a sofrer os rigores da anarquia", prosseguiu. "O seqüestro de unidades e instalações petrolíferas é uma agressão contra a sobrevivência do Estado e, portanto, ultrapassa os limites do jogo democrático." O pronunciamento foi feito depois que Chávez conclamou os militares a não obedecer a ordens judiciais contra os decretos determinando que as Forças Armadas controlem instalações vitais do setor petrolífero afetadas pela greve. Montoya, por sua vez, conclamou a população a rejeitar os líderes oposicionistas que, segundo ele, estão armando "uma ação irracional e brutal" contra o país, e enfatizou: "O Exército rechaça o discurso que pretende manipular civis e usá-los como escudos humanos, como salvo-condutos para que seus promotores saiam ilesos do perigoso malabarismo que estão tentando fazer."

Agencia Estado,

16 Dezembro 2002 | 23h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.