Comandante do Greenevellie assume culpa por naufrágio

Em entrevista a revista Time, Scott Waddle, comandante do submarino americano USS Greenevellie, que numa manobra de emergência abalroou e pôs a pique um navio-escola japonês, o Ehime Maru, disse que daria sua vida para conseguir reverter o acidente que provocou a morte de nove pessoas. ?Eu dei as ordens que provocaram o acidente. Daria minha vida se com isso pudesse recuperar uma dessas vidas perdidas?, disse Waddle a revista. O militar americano disse que desde a colisão, ocorrida em 9 de fevereiro, a cerca de 15 quilômetros do porto havaiano de Pearl Harbor, disse que não consegue dormir direito à noite, luta com os pesadelos, que seus cabelos estão se tornando grisalhos e que tem perdido peso. ?Não me canso de pedir perdão, mas estou cansado de chorar?, disse ele na entrevista concedida em sua residência no Havaí.Revertendo declarações anteriores, onde afirmou que não acreditava que a presença de 16 civis que viajavam no submarino nuclear fosse um favor determinante para o acidente, o comandante reconheceu que a presença destes ?na sala de controle pelo menos prejudicou nossa concentração?. Scott Waddle assumiu toda a responsabilidade pela tragédia. ?Não dei aos meus homens tempo necessário para realizar suas tarefas. Estava tão seguro de minhas habilidades que me convenci de que era seguro prosseguir as manobras?, afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.