Comandante do Taleban paquistanês escreve carta a Malala

Um destacado comandante do Taleban paquistanês escreveu uma carta à adolescente Malala Yousafzai, baleada na cabeça no ano passado em um atentado promovido pelo grupo, e disse lamentar o fato de não a ter avisado antes da tentativa de assassinato que deu repercussão internacional a seu ativismo pelo direito das mulheres à educação.

AE, Agência Estado

17 de julho de 2013 | 17h01

Na carta, escrita durante o fim de semana, Adnan Rasheed não chegou a pedir desculpas pelo atentado de outubro do ano passado, que deixou Malala gravemente ferida, levando a sua transferência para um hospital na Inglaterra. No entanto, o comandante, que é próximo dos principais líderes do grupo, disse que a tentativa de assassinato foi "chocante" e desejava que nada daquilo tivesse acontecido.

"Ontem, em seu discurso, você disse que a pena é mais poderosa que a espada", escreveu Rasheed, referindo-se ao discurso proferido por Malala na Organização das Nações Unidas (ONU) na última sexta-feira. "Então eles a atacaram por causa da sua espada, e não por causa dos seus livros ou da escola."

Rasheed esclarece que a carta, recebida pela Associated Press na noite de ontem, expressa sua opinião pessoal, e não a do grupo. Um outro comandante do Taleban confirmou a autenticidade da carta.

Segundo Rasheed, Malala não foi atacada por defender a educação feminina, mas pelo fato de ter feito críticas ao grupo em relação ao período em que o Taleban controlou o Vale do Swat, entre 2008 e 2009. A versão coincide com declarações de outros líderes do Taleban paquistanês na época do atentado.

Rasheed encerra a carta com um pedido para que Malala regresse ao Paquistão e se matricule em uma escola islâmica para mulheres. "Use sua pena pelo Islã e pelo sofrimento da comunidade muçulmana e revele a conspiração de uma pequena elite que quer escravizar a humanidade com uma pauta maligna em nome de uma nova ordem mundial." Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoMalalaTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.