Forças Armadas da Colômbia / AFP
Forças Armadas da Colômbia / AFP

Comandante dos dissidentes rebeldes das Farc é morto na Colômbia

Euclides España, conhecido pelo pseudônimo Jhonier, foi um dos comandantes que optaram por não firmar acordo de paz

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2022 | 22h12

BOGOTÁ - Um dos comandantes dos dissidentes rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que ficaram à margem do processo de paz de 2016, morreu em uma operação militar no sudoeste da Colômbia, anunciou o presidente Iván Duque nesta segunda-feira, 24. Euclides España, conhecido pelo pseudônimo Jhonier, foi "neutralizado", declarou o presidente em comunicado público.

Jhonier foi um dos comandantes guerrilheiros que optaram por não fazer o acordo com a extinta Farc. Seu nome estava na lista de terroristas procurados pelos Estados Unidos, e o governo Duque oferecia uma recompensa equivalente a cerca de US$ 755 mil (cerca de R$ 4,1 milhões) por seu paradeiro.

"Este é um dos golpes mais importantes infligidos aos dissidentes das Farc. E estamos falando de um criminoso com mais de 25 anos de antecedentes criminais e homicidas", destacou Duque.

Jhonier, cuja idade não foi revelada, coordenou várias das organizações dissidentes comandadas por Gentil Duarte e Iván Mordisco, dois dos homens mais perseguidos na Colômbia após o desarmamento das Farc.

Segundo as autoridades, ele foi alvo de uma ação de tropas militares com apoio da polícia no município de Tacueyó, no departamento de Cauca.

"Usamos tecnologia de ponta para inteligência e o melhor de nossas tropas para que pudessem avançar principalmente à noite e é assim que hoje, às 15h, esse símbolo do mal foi neutralizado", explicou o general Luis Fernando Navarro, comandante das Forças Armadas colombianas. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.