Comandante dos EUA critica ações 'agressivas' da China

O principal comandante dos Estados Unidos no Pacífico, almirante Timothy Keating, disse hoje que a "agressiva e inoportuna" confrontação da China contra um navio norte-americano desarmado na semana passada mostra que Pequim ainda não está preparada para aceitar padrões aceitáveis de comportamento. Keating disse a senadores, durante uma audiência, que o fato de a China ter suspenso um contrato militar com os EUA no ano passado, por causa das vendas de armas norte-americanas para Taiwan e o episódio da semana passada no Mar da China, "são lembranças vívidas" de que "o comportamento da China como participante responsável ainda tem de ser consistentemente" mostrado.

AE-AP, Agencia Estado

19 de março de 2009 | 20h31

Os EUA afirmaram que uma embarcação militar de pesquisa foi acossada e ameaçada por barcos de bandeira chinesa em águas internacionais. A China alegou que um navio norte-americano estava fazendo pesquisa em sua zona econômica exclusiva. Keating disse que os chineses comportaram-se de "maneira agressiva e inoportuna" e não parecem "dispostos a agir de acordo padrões aceitáveis de comportamento". Em sua declaração escrita, ele afirmou que as ações foram "ilícitas e perigosas".

O presidente norte-americano, Barack Obama, assinalou na semana passada a necessidade de comunicações mais frequentes e intensas com a China para evitar confrontos militares que possam prejudicar o relacionamento crucial para resolver a crise financeira global. Os EUA também pressionam a China a permitir visitas e mais contatos entre funcionários dos países e pediu que o país forneça mais informações sobre seus enormes gastos militares.

"Um relacionamento maduro e construtivo entre os exércitos é uma difícil realidade atualmente", disse Keating, acrescentando que os contatos militares com o Exército de Libertação do Povo Chinês "ficou abaixo das expectativas em 2008". Keating também afirmou que a melhora das relações entre Taiwan e China é um bom sinal e mostra que a região está "de alguma forma estável".

Tudo o que sabemos sobre:
EUAChinadiplomaciacomandantenavios

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.