Comandante dos EUA planeja nova tática contra Taleban

O comandante das tropas dos Estados Unidos e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Afeganistão afirmou, hoje, que a situação no país é "séria" e é necessária uma nova estratégia para vencer o Taleban. O general Stanley McChrystal enviou sua revisão da guerra afegã hoje ao Pentágono. O secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, ordenou a revisão para avaliar a piora da situação no país, enquanto aumentam os ataques do Taleban e também as mortes de norte-americanos. A estratégia inclui um trabalho para se atingir a redução da capacidade de ação dos extremistas, além do reforço e da ampliação das forças locais.

AE-AP, Agencia Estado

31 de agosto de 2009 | 14h44

McChrystal não pediu mais tropas, porém deve fazer isso em uma requisição separada, disseram dois funcionários da Otan, sob condição de anonimato. O envio de mais tropas deve iniciar um debate em Washington sobre o futuro da guerra. Alguns senadores democratas pedem cada vez mais um cronograma para a retirada militar. "A situação no Afeganistão é séria, mas o sucesso é possível e exige uma revisada estratégia de implementação, compromisso, determinação e crescente unidade de esforço", apontou McChrystal em comunicado nesta segunda-feira. McChrystal assumiu o comando no Afeganistão em 15 de junho. Ele atrasou a entrega da revisão dos trabalhos no país para não interferir na eleição presidencial de 20 de agosto.

Obama ordenou o envio de mais 21 mil soldados ao Afeganistão neste ano, para ajudar a proteger os eleitores. A contagem dos votos está na metade, com centenas de denúncias de fraudes. O presidente Hamid Karzai Karzai aparece com 45,8% dos votos, enquanto o principal opositor, o ex-ministro de Relações Exteriores Abdullah Abdullah, tem 33,2% dos votos. Karzai precisa de 50% dos votos mais um para evitar um segundo turno. Os militares norte-americanos informaram que dois soldados dos EUA morreram, em explosões separadas no sul afegão. As duas mortes de hoje elevam para 47 o número de soldados mortos no Afeganistão. É o maior número para os EUA desde o início do conflito, em 2001.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.