Comandante iraniano alerta EUA contra ´medida estúpida´

O comandante das Forças Armadas do Irã advertiu os Estados Unidos e outras potências ocidentais a não tomarem nenhuma "medida estúpida" contra o programa nuclear de Teerã, e sugeriu que quem o fizer será surpreendido pela resposta militar do Irã.As declarações do comandante-em-chefe das Forças Armadas, Ataollah Salehi, divulgadas por jornais neste sábado, 17, são as mais recentes de uma série de manifestações desafiadoras feitas por lideranças iranianas no momento em que a Organização das Nações Unidas (ONU) se prepara para votar novas sanções contra o país.O Irã enfrenta uma escalada no debate sobre seu programa de enriquecimento de urânio. Em dezembro, a nação islâmica foi alvo de uma resolução da ONU que impôs sanções contra o governo do país. A medida seria suspensa caso o Irã cumprisse um prazo de 60 dias para que cancelasse seu programa de enriquecimento de urânio - o que não foi cumprido. Caso contrário, novas sanções seriam impostas. O governo iraniano garante que o urânio produzido em suas usinas nucleares será usado como combustível para geração de energia, mas o Ocidente suspeita que a República Islâmica possua planos para fabricar bombas nucleares.Os Estados Unidos disseram preferir uma solução negociada para a crise, mas não descartam as opções militares.Salehi disse que o exército do Irã está mais forte agora do que na época em que lutou contra o Iraque, entre 1980 e 1988."E se nossos inimigos encrenqueiros fizerem algo estúpido, eles certamente vão se surpreender", afirmou, segundo o jornal Siyasat-e Rouz.Especialistas dizem que, na área tecnológica, as forças iranianas não são páreo para os EUA. Ainda assim, Teerã teria capacidade militar para provocar devastação em áreas do Golfo e no Estreito de Ormuz, um ponto-chave por onde passam dois quintos do petróleo comercializado no mundo.Um esboço de resolução acordado entre os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança (CS) da ONU - EUA, França, Grã-Bretanha, China e Rússia -, além da Alemanha, foi enviado aos demais integrantes na quinta-feira, 15, para a votação que deve acontecer na próxima semana.A nova resolução em discussão no CS propõe outras sanções, incluindo uma proibição à exportação de armas e uma ampliação da lista de bens congelados.As potências exigiam que o Irã suspendesse o trabalho nuclear como uma precondição para conversas mais amplas que, disseram, levariam a benefícios diplomáticos e comerciais para o país rico em petróleo.Mas as autoridades iranianas insistiram nos últimos dias que não iriam se curvar à pressão ocidental e abandonar suas ambições atômicas."Tomar uma decisão inapropriada aprovando uma nova resolução (da ONU) pode provocar todo tipo de conseqüência", divulgou a agência de notícias estatal iraniana Irna, citando o ministro das Relações Exteriores, Manouchehr Mottaki, neste sábado. "Nós ainda preferimos a cooperação e a negociação para chegar a uma solução política."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.