Comandante rebelde sírio é assassinado pela Al-Qaeda

Ação mostra aumento das lutas internas entre grupos que combatem o regime de Bashar Assad

Agência Estado

12 de julho de 2013 | 12h02

BEIRUTE, LÍBANO - Homens armados ligados à Al-Qaeda mataram o comandante do Exército Sírio Livre, Kamal Hamami, no noroeste da Síria, informaram um grupo ativista e uma porta-voz da oposição nesta sexta-feira, 12. A ação indica um aumento das tensões e das lutas internas entre grupos que combatem o regime do presidente Bashar Assad.

O Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, grupo com sede em Londres, disse que integrantes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante - grupo resultante da fusão de braços da Al-Qaeda no Iraque e na Síria - são responsáveis pelo ataque a Hamami.

O incidente ocorre no momento em que o principal bloco opositor da Síria reclama que "elementos no Congresso americano" obstruem os esforços do governo Obama para reforçar o apoio aos rebeldes que lutam para derrubar Assad.

O Observatório informou que Hamami foi morto a tiros depois de os militantes tentarem remover um posto de verificação que ele estabeleceu na montanha de Jabal al-Akrad, na província costeira de Latakia. Segundo o grupo opositor, dois dos homens do comandante ficaram seriamente feridos.   Confrontos ocasionais entre grupos rebeldes e militantes islâmicos já aconteceram em áreas tomadas pelos rebeldes, especialmente no norte, onde a oposição controla uma grande parcela do território.

Também tem havido lutas internas entre grupos curdos e árabes pelo controle do território tomado do governo ao longo da fronteira com a Turquia no último ano, mas esses confrontos diminuíram após um acordo de cessar-fogo no início deste ano.

A morte de Hamami vai salientar a profunda luta pelo poder entre grupos moderados e extremistas que participam da guerra civil síria. A porta-voz da Coalizão Nacional Síria, Sarah Karkour, disse que o Exército Sírio Livre confirmou a morte de Hamami "pelas mãos do Estado Islâmico do Iraque e do Levante", mas não divulgou detalhes.

A Coalizão Nacional Síria é um braço do Exército Sírio Livre, que reúne vários grupos rebeldes. O Exército Sírio Livre se reagrupou em dezembro sob um comando rebelde unificado chamado Conselho Militar Supremo, após promessas de recebimento de mais ajuda militar assim que o grupo estivesse estabelecido.

O conselho, que tem apoio do Ocidente, é liderado pelo general Salim Idriss, que desertou do Exército sírio, e por um grupo de 30 oficiais graduados. Idriss passou 35 anos no Exército e é visto como um moderado secular./ AP

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaAl-QaedaExército Sírio Livre

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.