Comandante Taleban assume morte de funcionária da ONU

Um comandante do movimento fundamentalista islâmico Taleban assumiu nesta terça-feira a responsabilidade pelo assassinato, no domingo, de Bettina Goislard, funcionária do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), e ameaçou executar um engenheiro turco, Hassan Onal, seqüestrado no mês passado, se o governo afegão não libertar seus companheiros presos. O governo turco informou hoje estar trabalhando com afinco pela libertação do refém. Um comandante taleban, mulá Sabir, também advertiu que qualquer um visto colaborando com os interesses dos Estados Unidos no Afeganistão será alvo de futuros ataques, entre eles jornalistas e trabalhadores humanitários. Um porta-voz taleban, no entanto, negou que o grupo tenha assassinado a funcionária francesa e disse que o ataque foi cometido pelas autoridades locais para "difamar" o Taleban. Ainda nesta terça-feira, o Acnur anunciou a interrupção de seus trabalhos no Afeganistão e a retirada de parte de seu pessoal internacional depois da morte de Goislard. Segundo o Acnur, o trabalho de repatriar afegãos está suspenso e os escritórios da entidade e Kandahar, Gardez e Jalalabad foram fechados temporariamente. A funcionária foi morta a tiros por duas pessoas. Ontem, a ONU recebeu informações que apontavam para membros do Taleban como os responsáveis pelos disparos que também deixaram outros funcionários do Acnur feridos. A agência da ONU afirma que, diante da violência, todas as viagens terrestres de seus funcionários estão proibidas, o que dificultará a volta de refugiados afegãos ao país. Desde que o regime do Taleban foi derrubado, no fim de 2001, cerca de 2,5 milhões de afegãos que haviam deixado o país estão de volta a suas cidades de origem. O problema é que muitos desses refugiados encontraram suas casas e vilas completamente destruídas e a ONU foi obrigada a ajudá-los a reconstruir suas vidas. Com o inverno se aproximando, muitos desses refugiados dependiam dos funcionários da ONU para conseguir alimentos, cobertores e remédios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.