Comando dos EUA restringe técnicas de interrogatório

O principal comandante americano no Iraque decidiu limitar as táticas de interrogatório admissíveis, informa o Pentágono. Assim, as práticas mais coercitivas sequer serão avaliadas para uso. A ordem do general Ricardo Sanchez informa os responsáveis pelos serviços de informação que pedidos para o emprego de tais métodos - que, desde setembro, podiam ser aceitos - serão automaticamente rejeitados.Na descrição mais completa já feita dos métodos de interrogatório considerados lícitos pelos militares americanos, o Pentágono informa que Sanchez aprovou 25 solicitações para o isolamento de prisioneiros desde meados de outubro, mas rejeitou pedidos para manter detentos em ?posições desconfortáveis?. As técnicas ?estressantes? agora vetadas incluíam privação de sono por mais de 72 horas, ?privação sensorial? e manter o prisioneiro em posições desconfortáveis, como de joelhos ou em pé, por mais de 45 minutos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.