Comando militar proibirá observadores internacionais de acompanhar eleições

Militares egípcios anunciaram ontem que o Conselho Supremo das Forças Armadas, que agora detém o poder no país, proibirá grupos internacionais de monitorar as próximas eleições legislativas. Inicialmente previstas para setembro, elas devem sofrer novo adiamento. A decisão de vetar os observadores estrangeiros teria por objetivo evitar qualquer "interferência na soberania do Egito". Apenas observadores que tenham cidadania egípcia poderão acompanhar o processo eleitoral.

, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2011 | 00h00

A decisão foi anunciada enquanto o novo gabinete tomava posse, com a promessa de acabar com as leis de exceção herdadas da era Hosni Mubarak. O premiê Essam Sharaf trocou 12 ministros e 2 vice-ministros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.