Comandos buscam 60 vítimas do Sendero Luminoso

Comandos militares antiterroristas iniciaram a busca por 60 trabalhadores, entre os quais pelo menos sete estrangeiros, de uma companhia argentina que está construindo um gasoduto através dos Andes. Os trabalhadores foram capturados em um acampamento, supostamente por guerrilheiros do Sendero Luminoso.Os comandos chegaram a Ayacucho procedentes de Lima em aviões Hércules do exército, sob o comando do general José Antonio Graham Ayllón, chefe da Segunda Região Militar, com sede na capital peruana, e que está dirigindo a busca. A polícia insiste que os seqüestradores eram rebeldes do Sendero Luminoso liderados por um indivíduo apelidado de "Camarada Miyo", embora o ministro da Defesa, Aurelio Loret de Mola, tenha sido mais cauteloso, denominando-os apenas de "delinqüentes armados".Entre os seqüestrados se encontram quatro colombianos, dois argentinos e um chileno, segundo autoridades locais. Já o ministro Aurelio Loret de Mola disse em Lima que os estrangeiros seqüestrados são oito, mas não os identificou. A polícia informou que para libertar os seqüestrados os rebeldes pedem um resgate de US$ 1 milhão, equipamentos de comunicação, 500 caixas com explosivos e medicamentos, especialmente antibióticos, tranqüilizantes e vitaminas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.