Combate à Al-Qaeda fracassou, diz estudo

Instituto Internacional de Estudos Estratégicos aponta declínio dos EUA

Reuters, Londres, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2014 | 00h00

Em seu relatório anual, divulgado ontem, o Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IIEE), um dos mais importantes centros de estudos de Londres, diz que o fracasso no Iraque fez com que os EUA perdessem influência global. Com isso, Irã e Rússia tornaram-se mais fortes e o Oriente Médio e a Ásia estão mais instáveis.O cenário desanimador completa-se com a crescente violência no Iraque e a expansão da Al-Qaeda e do fundamentalismo islâmico pela Europa. A única boa notícia para os EUA é a ascenção de líderes europeus mais afinados com a Casa Branca. Ainda assim, segundo o IIEE, é pouco provável que eventuais alianças alcancem resultados práticos, por causa da debilidade da política externa americana."Com os EUA mais fracos, é maior o risco de conflitos internacionais", diz o relatório. O instituto apontou a expansão do terrorismo na Europa, principalmente da Al-Qaeda, como prova do fracasso no combate ao terror global.De acordo com o analistas do IIEE, o esforço de estabilização do Iraque só dará resultado se tiver maior apoio por parte dos políticos iraquianos. "Há muita dúvida sobre a vontade política do governo iraquiano", disseram os especialistas. O relatório do IIEE lançou também um alerta ambiental. O instituto identificou as mudanças climáticas como uma "séria ameaça à segurança global". "Se permitirmos a emissão indiscriminada de gases que causam o efeito estufa, o resultado poderá ser catastrófico, equivalente ao de uma guerra nuclear." PONTOS PRINCIPAIS Na pior das hipóteses, o Irã poderia construir uma bomba nuclear até 2009 Os EUA perderam poder porque não conseguiram restabelecer a ordem no Iraque Há muitas dúvidas sobre a capacidade do premiê iraquiano, Nuri al-Maliki, mas qualquer substituto viria tarde demais para compensar o declínio americano Os efeitos das mudanças climáticas serão tão catastróficos como uma guerra nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.