Combate ao terrorismo aproxima Rússia da UE e Otan

O presidente russo, Vladimir Putin, deu hoje um forte apoio na ação internacional contra o terrorismo, ao pedir por uma revisão das estruturas de segurança na Europa, para permitir que a Rússia e o Ocidente possam combater de forma mais eficaz as ameaças externas. "Depois dos trágicos eventos do dia 11 de setembro, a União Européia (UE) precisa novamente ficar atenta à segurança regional", afirmou Putin numa entrevista coletiva durante as negociações entre líderes da UE e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). "Já é hora de encontrarmos soluções práticas". Para o secretário-geral da Otan, Lord Robertson, "essas conversações são um marco nas relações entre a Otan e a Rússia". "Identificamos algumas áreas em que a Otan e a Rússia podem trabalhar juntos". O presidente Putin concordou em que a Rússia comece a promover negociações mensais com a UE sobre assuntos de Defesa. Também deu sinal verde para que sejam organizadas reuniões regulares com a Otan, para estudar como a aliança militar ocidental pode aumentar a cooperação com a Rússia. Em declaração conjunta com os 15 países-membros da UE, Putin afirmou que a cooperação deve incluir ações para paralisar as finanças dos terroristas, intercâmbio de informações em relação a suspeitos de terrorismo e sobre movimentos de substâncias químicas, biológicas ou nucleares, uso de documentos falsos e outras atividades terroristas. "A União Européia, a Federação Russa e os Estados Unidos vão lutar juntos contra o terrorismo", declarou Javier Solana, chefe da política exterior da UE. "Vamos vencer esta batalha".

Agencia Estado,

03 Outubro 2001 | 18h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.