AP
AP

Combate em cidade síria mata combatentes do Hezbollah

Confrontos com rebeldes contrários ao presidente Assad ocorreram em Qusayr

O Estado de S. Paulo,

20 de maio de 2013 | 11h45

AMÃ - Cerca de 30 combatentes do grupo islâmico libanês Hezbollah e 20 soldados e milicianos sírios leais ao presidente Bashar Assad morreram em intensos combates contra rebeldes na localidade de Qusayr, disseram ativistas sírios nesta segunda-feira, 20.

Fontes da oposição e a imprensa estatal apresentaram relatos muito diferentes sobre o resultado dos confrontos de domingo na cidade, há meses usada por rebeldes como rota de suprimento da fronteira libanesa para a cidade de Homs.

O ataque a Qusayr parece ser parte de uma campanha das forças de Assad para consolidar seu controle sobre Damasco e proteger as ligações entre as capitais e redutos do governo no litoral, passando pela disputada cidade de Homs.

A agência estatal de notícias Sana disse que o Exército "restaurou a segurança e a estabilidade na maioria dos bairros de Qusayr", e que estava "perseguindo os terroristas remanescentes no bairro norte."

Mas ativistas da oposição disseram que os rebeldes de Qusayr, a cerca de 10 quilômetros da fronteira libanesa, obrigaram a maior parte das forças do governo a recuar para suas posições originais a leste e ao sul da cidade, destruindo pelo menos quatro tanques do Exército sírio e cinco veículos leves do Hezbollah.

Os ativistas não citaram cifras sobre o número de rebeldes e civis mortos. O Observatório Sírio de Direitos Humanos disse que 48 rebeldes morreram, além de quatro civis, sendo três mulheres. O Observatório estimou também que o Hezbollah teve 23 combatentes mortos e 70 feridos. Fontes libanesas de segurança disseram que foram 12 combatentes do Hezbollah mortos. / REUTERS

Vídeo da AP mostra confrontos em Qusayr:

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaHezbollahBashar Assad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.