Combate entre grupos rebeldes nas Filipinas mata 22

Um grupo muçulmano rebelde Frente Moro de Libertação Nacional (FMLN) disse nesta segunda-feira que atacou um atirador do grupo Abu Sayyaf após os militantes ligados à Al-Qaeda se recusarem a liberar reféns, provocando combates violentos na selva que deixaram pelo menos 22 combatentes mortos na sul das Filipinas.

AE, Agência Estado

04 de fevereiro de 2013 | 12h18

Não houve relatos se os reféns foram feridos no combate, mas eles continuam sob o domínio dos militantes do grupo Abu Sayyaf, disse a polícia.

Khabir Malik, comandante rebelde da FMLN, que tem um acordo de autonomia com o governo, disse que seu grupo decidiu atacar o Abu Sayyaf nas montanhas escarpadas da cidade Patikul, no sul da província de Sulu, após o fracasso das negociações que têm sido realizadas desde o ano passado sobre a libertação de vários de seus reféns estrangeiros, incluindo um jornalista de TV da Jordânia e dois homens europeus.

Os militantes do Abu Sayyaf libertaram dois reféns filipinos no fim de semana depois de um resgate não especificado ter sido pago, disseram autoridades de segurança, acrescentando que os prisioneiros foram soltos e deixados por conta própria e não entregues aos rebeldes Moro.

"Nós não tivemos escolha", disse Malik por telefone de Patikul. "Eles nos disseram que não vão nos entregar os reféns, mesmo se eles morrerem."

Os rebeldes Moro lutaram contra o Abu Sayyaf com armas e facas no domingo, afirmou Malik, acrescentando que seu grupo perdeu oito homens, incluindo um que foi decapitado e alguns outros que foram agredidos até a morte. Autoridades militares e policiais em Sulu disseram que até 14 homens do grupo Abu Sayyaf foram mortos, citando a inteligência.

Os combates diminuíram nesta segunda-feira depois que homens armados do grupo Abu Sayyaf dividiram-se em grupos menores, e um grande grupo foi visto fugindo de Patikul para uma cidade vizinha. Mas os confrontos poderiam entrar em erupção novamente, afirmou o chefe da polícia da Província de Sulu, o superintendente Antonio Freyra.

O confronto foi o primeiro grande e sangrento entre os dois grupos insurgentes, que conviveram durante anos e, por vezes, foram suspeitos de colaborar em sequestros e apoiar um ao outro em confrontos contra as tropas do governo em Sulu, que é predominantemente muçulmana. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Filipinasviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.