Combatentes rebeldes entram em cidade natal de Kadafi

Colunas de combatentes ligados aos novos líderes líbios invadiram a cidade natal de Muamar Kadafi nesta sexta-feira, dando início a confrontos com homens ligados ao líder líbio em vários setores de Sirta.

AE, Agência Estado

16 Setembro 2011 | 13h11

Os soldados do Conselho Nacional de Transição (CNT), apoiados por tanques, lançaram o ataque no final desta manhã contra acidade de fica a 360 quilômetros de Trípoli, após um primeiro ataque no dia anterior que foi repelido por homens de Kadafi.

Um repórter da agência France Presse testemunhou os pesados confrontos no aeroporto e a dois quilômetros do centro da cidade. As forças do CNT usavam canhões antiaéreos e canhões pesados nos limites da cidade e as forças de Kadafi responderam com francoatiradores e foguetes.

O comandante militar Salem Jear, que também é integrante do Conselho Militar de Misurata, disse que as forças do CNT se aproximavam do centro de Sirta.

"Estamos avançando pelo oeste e pelo sul na direção do centro da cidade", disse ele por telefone. "Nossas forças se retiraram estrategicamente durante a noite, mas agora estamos avançando na direção do centro e alguns já chegaram ao local."

O comandante de campo Hadi Saleq, da brigada Karama, que tem 160 homens sob seu comando e também é nascido em Sirta, relatou a ocorrência de confrontos em três frentes. "Os confrontos estão concentrados na rua 1º de setembro, na zona residencial 2 no centro e ao redor do aeroporto", disse ele.

Não há informações sobre vítimas, mas o CNT disse que perdeu 11 combatentes na quinta-feira e que 34 ficaram feridos, além da captura de 40 homens de Kadafi. A área de Al-Zaafran, ao sul de Sirta, estava sob controle rebelde.

O comandante de campo Saleq disse esperar que até o final do dia a cidade esteja completamente tomada pelos rebeldes. "Vamos renomear a rua 1º de setembro como rua 17 de fevereiro", em homenagem à data do início da revolução, quase sete meses atrás, disse Saleq. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
LíbiaconfrontosSirtainvasão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.