Combatentes tomam reduto de Kadafi no sul da Líbia

Sabha está na principal rota de acesso ao Níger, país vizinho para onde fugiram integrantes do antigo regime

TRÍPOLI, O Estado de S.Paulo

21 Setembro 2011 | 03h06

O governo provisório da Líbia confirmou ontem a tomada da cidade de Sabha, um dos últimos redutos pró-Muamar Kadafi. Combatentes ocuparam o aeroporto, a fortaleza da cidade e a principal rodovia que dá acesso ao Níger, rota de fuga usada por integrantes do antigo regime. Prevendo uma nova investida das forças anti-Kadafi, moradores começaram a fugir ontem de Sirte, cidade natal de Kadafi.

Além de Sabha e Sirte, as forças de Kadafi oferecem resistência também em Bani Walid, 150 quilômetros ao sul de Trípoli. Depois de anunciar repetidamente que estavam na iminência de capturar as três cidades, os combatentes do Conselho Nacional de Transição (CNT) enfrentam uma resistência mais feroz do que a prevista, e chegaram a recuar em Bani Walid e Sirte.

Moradores de Sirte disseram que têm vivido sob cerco, pois as forças de Kadafi os impedem de sair da cidade. As condições de vida pioraram, já que a cidade está sob constante bombardeio da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Durante uma reunião de cúpula sobre a Líbia na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), Mustafá Abdel Jalil, presidente do CNT, afirmou ontem que pelo menos 25 mil pessoas morreram no levante contra Kadafi e 50 mil ficaram feridas.

Jalil foi recebido ontem pelo presidente americano, Barack Obama, que garantiu apoio aos novos líderes líbios e fez um apelo pela rendição das forças leais a Kadafi, afirmando que a ação da Otan será mantida enquanto líbios estiverem ameaçados.

Obama anunciou ainda que enviará o embaixador dos EUA de volta a Trípoli para reabrir a embaixada americana. A nova bandeira da Líbia, que substituiu a verde, de Kadafi, foi hasteada na sede da ONU. Jalil participará da Assembleia-Geral, que começa hoje.

Ontem, a União Africana (UA) reconheceu o governo do CNT, deixando de ser um dos apoios diplomáticos do ditador foragido.

Ameaças de Kadafi. Em mensagem de rádio divulgada por uma emissora síria, Kadafi fez questão de alertar seus opositores de que a proteção da Otan não vai durar para sempre. "Não acreditem que um regime foi deposto e outro imposto com a ajuda de ataques aéreos e marítimos."

A mensagem foi gravada em data e local desconhecidos, pois o ditador está foragido desde que combatentes do CNT conquistaram Trípoli, em agosto. Acredita-se que Kadafi esteja escondido na Líbia, apesar de membros de sua família terem fugido para Argélia e para o Níger. / REUTERS, AP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.