Combates deixam ao menos 15 mortos no Afeganistão

Sete agentes afegãos, quatro soldados estrangeiros e quatro rebeldes talebans morreram em diversos combates ocorridos nas últimas horas no Afeganistão, informaram fontes oficiais.Na província de Nimruz, no sudoeste do país, seis policiais afegãos e quatro supostos talebans perderam a vida quando um grupo de rebeldes atacou um posto policial. No enfrentamento, três policiais e cinco rebeldes ficaram feridos, informou o porta-voz da província, Wahidullah Khair Zad.No sábado, três efetivos da coalizão liderada pelos Estados Unidos no país morreram e outros três ficaram feridos em um enfrentamento com rebeldes talebans no distrito de Pech, na província oriental de Kunar.Na ocasião, um veículo da força internacional passou em uma mina antes de ser atacado por um grupo de rebeldes, afirmou neste domingo o comando americano."Foram registrados fortes combates, mas ainda não há relatórios de baixas entre os inimigos", disse o comando dos Estados Unidos em relatório divulgado à imprensa.Em outro comunicado, a Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf) anunciou a morte de um soldado americano e de um afegão durante um tiroteio na província sulina de Uruzgan, que deixou outros três efetivos da coalizão americana feridos.O combate começou quando uma patrulha do Exército Nacional Afegão, apoiado por militares americanos, descobriu um grande número de insurgentes enquanto realizavam uma operação da Isaf.A patrulha foi atacada com armas leves e respondeu ao fogo com artilharia e apoio aéreo. Os feridos foram levados a um centro médico da Isaf, onde se encontram em estado estável.O texto acrescenta que este enfrentamento durou quase quatro horas e entre 100 e 150 insurgentes foram vencidos. No entanto, o número de baixas entre os rebeldes ainda é desconhecido.Atualmente, cerca de 22 mil militares formam a coalizão liderada pelos Estados Unidos no Afeganistão, onde participam da chamada operação "Liberdade duradoura", que visa acabar com os rebeldes talebans e seus aliados, membros da organização terrorista Al Qaeda.Outros 20 mil efetivos da Isaf operam no país sob comando da Otan, para garantir a segurança no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.