Khaled Abdullah/Reuters
Khaled Abdullah/Reuters

Combates deixam dois mortos no Iêmen

Confrontos indicam início de luta interna pelo poder após renúncia de Ali Abdullah Saleh

Agência Estado

25 de novembro de 2011 | 16h50

SANAA - Pesados combates entre unidades rivais do exército abalaram a capital do Iêmen nesta sexta-feira, 25, e deixaram pelo menos dois soldados mortos, sinalizando que começou uma luta interna pelo poder alguns dias após o autocrata presidente Ali Abdullah Saleh concordar em acabar com seu governo de 33 anos.

 

Veja também:

especialINFOGRÁFICO: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

As lutas envolveram o comandante das forças da Segurança Central, comandadas pelo sobrinho de Saleh, o coronel Yehia Saleh, e as tropas da primeira divisão, lideradas pelo general Ali Mohsen al-Ahmar, que desertou e se juntou à oposição em março. O barulho das metralhadoras e armas automáticas foi escutado ao redor de Sanaa nesta sexta-feira.

 

As unidades já se enfrentaram antes em combates, mas foi a primeira vez que isso aconteceu desde que Saleh assinou um acordo nesta semana na Arábia Saudita para transferir o poder.

 

Com o acordo, Saleh prometeu passar o poder para o vice-presidente Abed Rabbo Mansur Hadi em 30 dias, após um novo governo tomar posse e aprovar uma lei que dará imunidade a Saleh, sua família e seus associados. Se o acordo for mantido, Saleh será o quarto ditador a ser derrubado neste ano pelas revoluções que abalam o mundo árabe. Mas o acordo não proíbe Saleh de voltar ao Iêmen e ele não será exilado como o ex-governante autoritário da Tunísia, Zine El Abidine Ben Ali.

 

A Anistia Internacional, grupo de defesa dos direitos humanos, criticou a cláusula do acordo que deu imunidade a Saleh, ao dizer que ela "representa mais um golpe nas vítimas das violações dos direitos humanos". "A imunidade leva à impunidade. Ela nega a justiça e priva as vítimas da verdade e de uma reparação verdadeira", disse a Anistia, com sede em Londres. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.