Combates em Monróvia ignoram declaração de trégua

Intensos combates são travados na capital da Libéria, Monróvia, apesar de os rebeldes terem declarado um novo cessar-fogo na véspera - o quarto desde junho - e prometido retirar-se do porto da cidade e aguardar a chegada de uma força de paz. Uma equipe de inspetores africanos partiu hoje de Gana e chegou a Monróvia para avaliar as condições para o envio de uma força multinacional de paz. Dois contingentes nigerianos de vanguarda serão enviados à Libéria somente após a avaliação, disse Sunny Ugoh, porta-voz do bloco da África Ocidental. Moradores da cidade portuária de Buchanan, tomada na segunda-feira pelos rebeldes que tentam depor o presidente Charles Taylor, disseram que dezenas de civis morreram, vítimas do fogo cruzado. O presidente dos EUA, George W. Bush, disse hoje que ainda não há condições para uma intervenção militar americana na Libéria, referindo-se ao não cumprimento da trégua. Ele reiterou que Taylor, acusado de crimes de guerra pela ONU, deve partir. Bush também emitiu um decreto proibindo o comércio, nos EUA, de diamantes procedentes de Libéria, Serra Leoa e outros países africanos com conflitos políticos. Eles são vendidos por rebeldes para comprar armas e financiar sua luta contra os governos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.