Gleb Garanich / Reuters
Gleb Garanich / Reuters

Combates em região do leste ucraniano podem encerrar acordo de paz

Kiev afirma que parte da cidade de Debaltseve está tomada por separatistas; retirada de armamento estava prevista para esta terça

O Estado de S. Paulo

17 de fevereiro de 2015 | 13h34

BERLIM - Rebeldes pró-Rússia bombardearam tropas do governo cercadas no leste da Ucrânia nesta terça-feira, 17, e o plano para que os dois lados retirassem o seu armamento pesado não foi executado, deixando um frágil acordo de paz perto do colapso.

Uma testemunha perto da linha de frente afirmou que a artilharia atingiu a cidade de Debaltseve a cada cinco segundos, levantando uma fumaça preta, apesar da trégua que reduziu os confrontos em muitas regiões desde que o acordo negociado pelos europeus entrou em vigor, no domingo.


Os rebeldes declararam que haviam capturado partes de Debaltseve, que fica numa junção ferroviária estratégica, e alguns soldados ucranianos haviam se rendido.

Em um comunicado, o Ministério da Defesa ucraniano confirmou que parte da região foi tomada. "Os combates nas ruas continuam, rebeldes atacam a cidade em grupos com artilharia e tanques. Parte da cidade foi tomada por eles". Em Debaltseve, estão cerca de oito mil soldados ucranianos.

A esperança de que o acordo firmado na semana passada terminaria com o conflito que já matou mais de cinco mil pessoas foi reduzida depois que um avanço rebelde em janeiro terminou com um cessar-fogo anterior.

No entanto, a intensidade dos combates em Debaltseve não era esperada e aumenta as preocupações de Kiev e do Ocidente de que os separatistas e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, querem consolidar os recentes ganhos rebeldes, antes que a paz seja implementada.

Caminhões militares e tanques se movimentavam na bastante destruída vila de Nikishine, ao mesmo tempo que os rebeldes atacavam a próxima Debaltseve com foguetes, artilharia pesada e morteiros. A fumaça cobria a cidade.

Acordo. Mais cedo, a chanceler alemã, Angela Merkel, falou por telefone com os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da Ucrânia, Petro Poroshenko, e acordou "passos concretos" para que a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) possa supervisionar o cumprimento do acordo de cessar-fogo no leste ucraniano. A expectativa é que observadores da OSCE tentassem chegar à Debaltseve.

No entanto, um novo chamado de Berlim pela paz e pela retirada do armamento pesado, como programado em Minsk, a partir desta terça, parece não ter sido ouvido. "Não temos o direito (de parar a luta em Debaltseve). É uma questão moral. É território interno”, disse Denis Pushilin, representante dos separatistas, estabelecendo o objetivo de “destruir as posições de combate do inimigo”. /EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.