Combates em Tora Bora continuam; não há sinal de Bin Laden

Combatentes de tribos afegãs e forças especiais dos EUA perseguiram nesta segunda-feira guerrilheiros da Al-Qaeda em montanhas no leste do Afeganistão depois de terem conquistado o complexo de cavernas e túneis em Tora Bora. Alguns lutadores da Al-Qaeda se renderam, implorando para não serem entregues aos norte-americanos.Mais de 200 estrangeiros da Al-Qaeda, a rede terrorista de Osama bin Laden, foram mortos em batalhas. Centenas de outros estariam em fuga e não há sinais do paradeiro de Bin Laden."Até que o peguemos - e nós o faremos -, não podemos dizer precisamente onde ele tem estado", afirmou o secretário de Defesa dos EUA, Donald H. Rumsfeld, a repórteres a caminho de Bruxelas.Combatentes da Al-Qaeda feitos prisioneiros no domingo disseram ter visto Bin Laden na região há um mês - confirmando notícias de que havia fugido para o complexo de Tora Bora durante a campanha norte-americana de bombardeios aéreos de dois meses de duração. Mas os prisioneiros não sabiam onde ele poderia estar agora.Rumsfeld afirmou que membros da Al-Qaeda continuavam soltos. "Vai levar tempo e energia e esforço, e pessoas serão mortas no processo de tentar encontrá-los", disse. Perguntado sobre se altos líderes da rede haviam escapado, ele disse: "Ainda estamos tentando ver o que temos, e o que não temos, e quem foi morto. Não é um processo fácil".Houve novas informações sobre outro fugitivo da lista de procurados dos EUA: o líder supremo do Taleban, mulá Mohammed Omar. Haji Gulalai, o chefe de inteligência do governador de Kandahar, disse ter recebido notícias de que o clérigo estava entrincheirado com centenas de combatentes na cidade de Baghran, a noroeste de Kandahar.Em Tora Bora, os ataques aéreos foram menos intensos hoje do que em semanas anteriores, mas bombas ainda explodiam nas florestas da montanha coberta de neve onde estariam em fuga combatentes da Al-Qaeda.A Aliança do Norte afirmou que bombas dos EUA perderam o rumo e mataram três de seus combatentes, repetindo acusações feitas anteriormente durante o conflito de que os norte-americanos não estavam tomando cuidado suficiente para evitar atingir seus aliados.Alguns combatentes da aliança disseram que forças especiais dos EUA estavam trabalhando com eles na busca em cavernas e túneis abandonados pelas tropas da Al-Qaeda.Auzubillah, um comandante tribal da Aliança do Norte, afirmou que as forças entraram em confronto hoje com combatentes da Al-Qaeda em fuga, matando dois e capturando cinco. Ele disse ter encontrado munição e alimentos nas cavernas abandonadas.Vários lutadores locais afirmaram que mulheres e crianças foram mortas entre os integrantes da Al-Qaeda, o que confirmaria que alguns combatentes estrangeiros levaram a família para o Afeganistão. Membros da Al-Qaeda capturados foram levados para baixo das montanhas em mulas. Muitos choravam.Uma facção fez desfilar 18 homens - nove árabes e nove afegãos - pelas ruas de uma vila. Vários pareciam estar levemente feridos. Alguns tinham as mãos amarradas nas costas com corda de náilon vermelha. Repórteres não tiveram permissão de conversar com eles. Treze dos capturados - quatro seriamente feridos - eram mantidos nas montanhas por homens do comandante Haji Zahir.Em imagens colhidas pela Associated Press Television News, os captores disseram que entre o grupo estavam dois altos comandantes da Al-Qaeda, cujos nomes não foram divulgados. Rumsfeld havia dito no domingo durante visita ao Afeganistão que um alto líder da Al-Qaeda tinha sido preso, mas não o identificou.Os homens imploravam aos captores para não serem entregues às forças dos EUA. Khudaifa, um combatente de 17 anos do Kuwait, disse que foi ao Afeganistão com seu pai para lutar com a Al-Qaeda, mas que uma bomba norte-americana matou o pai e o feriu. "Eu não bebo nada há dois dias. Se não me derem água vou morrer", suplicou Khudaifa. Os prisioneiros disseram que mais 64 combatentes da Al-Qaeda estavam escondidos na floresta.Não ficou claro o que ocorreria com os prisioneiros. Comandantes falavam em entregá-los a autoridades dos EUA ou ao governo interino do Afeganistão, que assumirá no sábado. Marines norte-americanos construíram um campo no sul afegão capaz de abrigar 300 prisioneiros de guerra.A área ao redor de Tora Bora foi o último grande bolsão de resistência da Al-Qaeda no Afeganistão. A Aliança do Norte - um agrupamento de combatentes de líderes tribais do leste do Afeganistão - anunciaram no domingo que havia capturado as posições defensivas dos lutadores estrangeiros.No sul do Afeganistão, um marine que pisou numa mina terrestre no aeroporto de Kandahar foi levado para um hospital fora do Afeganistão. O ferido, capitão Chris Chandler, perdeu um pé no incidente, no qual dois outros marines sofreram ferimentos leves.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.