Combates entre comunidades rurais deixa ao menos 60 mortos na Nigéria, diz polícia

Combates entre pastores fulani e camponeses do grupo étnico eggon deixaram pelo menos 60 pessoas mortas na região central da Nigéria, a maioria por cortes de facão, disse a polícia nesta quinta-feira.

REUTERS

28 de agosto de 2014 | 10h30

Os conflitos irromperam na quarta-feira no Estado de Nasawrawa, uma semana após alguns aldeões eggon terem acusado fulanis de roubar cabeças de gado, disse o porta-voz da polícia de Nasarawa, Umaru Ismaila, por telefone.

“A informação que temos é de 60 mortos do confronto na vila de Tudun-Ababu”, disse ele. “Alguns corpos foram queimados a ponto de impossibilitar o reconhecimento."

Centenas de pessoas foram mortas no último ano em confrontos entre os fulani, um grupo seminômade e criador de gado, contra comunidades instaladas que praticam uma mistura de agricultura e pecuária. As brigas foram motivadas, principalmente, por disputas sobre o uso da terra.

(Por Anamesere Igboeroteonwu)

Tudo o que sabemos sobre:
NIGERIACLASCONFRONTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.