Combates na Somália deixam 70 mortos e mais de 200 feridos

Mortes ocorreram em diferentes pontos da capital em confrontos entre soldados etíopes e rebeldes islâmicos

EFE

10 de novembro de 2007 | 01h32

Pelo menos 70 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas nas últimas 24 horas em confrontos entre soldados etíopes e forças rebeldes islâmicas em diversos bairros populares de Mogadiscio, informou nesta sexta-feira a "BBC".   Dezenas de pessoas foram assassinadas em diferentes pontos da capital, onde os corpos mutilados de soldados etíopes e das forças rebeldes permaneciam nas ruas horas após os combates e os bombardeios das Forças Armadas perto do mercado de Bakara, o maior da cidade.   Além disso, os corpos de 19 pessoas foram achados no distrito de Hamar-Jadid. Moradores da localidade acusaram as forças etíopes de serem as responsáveis pelo massacre.   "Ontem (sexta-feira) à noite, foi ouvido um tiroteio. Houve mortos entre as forças etíopes e os soldados invadiram as casas, detiveram alguns e mataram outros", disse Omar Salgai, um habitante da região.   "Eles (os militares) atiraram no rosto e no peito (das pessoas), como vingança pelo fato de os corpos de vários soldados (etíopes) terem sido arrastados pelas ruas", acrescentou.   Outras 15 pessoas foram achadas mortas em Suqaholaha, onde soldados etíopes também enfrentaram combatentes rebeldes. Segundo Hussein Salgai, morador da localidade, as vítimas foram assassinadas pelos soldados etíopes.   "Decapitaram dez deles porque eram homens", acrescentou. Outros 30 cadáveres, a maioria deles de mulheres e idosos, foram achados no bairro Black Sea, que foi tomado pelos soldados etíopes durante a noite. Moradores disseram que na região também foram achados corpos de pessoas decapitadas.

Tudo o que sabemos sobre:
SomáliaMogadiscio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.