Combates no Sudão deixam pelo menos 40 mortos

Confrontos entre milícia e governo pode ter ligação com região rica em petróleo

Efe,

25 de dezembro de 2007 | 16h40

Pelo menos 40 pessoas morreram nos combates que, há dois dias, a milícia do Exército Popular para a Libertação do Sudão (EPLS) e uma tribo local travam em Kurdufan, no nordeste do país, segundo informaram nesta terça-feira, 25, fontes da polícia.   Embora não tenha sido explicado o motivo dos confrontos, fontes tribais disseram que a causa pode ser a disputa pelo controle da região de Ebey, rica em petróleo. A localidade é uma cobiçada tanto pelo governo de Cartum como pelo EPLS, uma das principais facções rebeldes em operação no oeste e no sul do Sudão.   Em novembro, o presidente sudanês, Omar Hassan Ahmad al-Bashir, anunciou que havia superado suas diferenças com o vice-presidente Silva Kir, líder do braço político do EPLS, o Movimento para a Libertação do Sudão, a respeito da disputa por Ebey.   O controle da região petrolífera é um dos pontos tratados no acordo de paz de 2005, que pôs fim a 21 anos de guerra entre o norte do Sudão, árabe-muçulmano, e o sul, cristão-animista.

Tudo o que sabemos sobre:
SudãoÁfricaviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.