Ahmed Khaled/Efe
Ahmed Khaled/Efe

Comboio de ônibus turcos é atacado por forças de segurança sírias

Peregrinos retornavam de uma viagem a Meca; duas pessoas ficaram feridas

21 de novembro de 2011 | 08h42

HOMS - Um comboio de ônibus turcos que retornava de uma viagem de peregrinos a Meca foi atacado pelas forças de segurança sírias e duas pessoas ficaram feridas, segundo informou nesta segunda-feira, 21, a imprensa da Turquia.

 

Veja também:

especialINFOGRÁFICO: A revolta que abalou o Oriente Médio

O comboio retornava da Arábia Saudita e, ontem, na última parte do percurso, foi atacado duas vezes em território sírio, detalhou o canal de televisão "NTV". O primeiro ataque aconteceu após passar o controle fronteiriço entre Líbano e Síria, e o segundo, na cidade de Homs.

Vários membros do comboio declararam ao canal que sete turcos foram detidos durante o primeiro ataque, uma informação que não pôde ser confirmada oficialmente, segundo a "NTV".

Os agressores, que "levavam bandeiras da Síria", apontaram suas armas para os ônibus e "começaram a disparar", relatou um dos integrantes do comboio.

O motorista e outro dos ocupantes dos ônibus ficaram feridos pelos disparos e foram internados no hospital estatal de Antioquia, já em território turco.

O Ministério de Relações Exteriores da Turquia renovou hoje sua advertência aos cidadãos turcos para que não viajem através da Síria a menos que seja absolutamente necessário.

Segundo a imprensa do país, a expectativa é que 15 mil turcos retornem de Meca por território sírio.

Em declarações efetuadas no domingo, o presidente turco, Abdullah Gül, se mostrou muito crítico com o regime de Bashar al Assad.

Gül afirmou que tinha perdido "toda confiança" no líder sírio, a quem pediu que abandone o poder, mas ao mesmo tempo descartou a possibilidade de participar de uma eventual intervenção estrangeira no país vizinho.

Durante a semana passada, dirigentes dos Irmãos Muçulmanos sírios disseram em Istambul que rejeitam uma intervenção exterior, mas que, caso isso aconteça, preferiam que se limitasse a uma zona de exclusão aérea supervisada pela Turquia em vez um país da União Europeia ou pelos Estados Unidos. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaBashar al-Assadrepressão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.