Comboio de presidenciável colombiana sofre tiros

Homens armados trocaram tiros com seguranças responsáveis por acompanhar o comboio que transportava a candidata da esquerda à presidência da Colômbia, Aida Avella, no estado de Arauca. Segundo as autoridades locais, não houve feridos.

AE, Agência Estado

24 de fevereiro de 2014 | 02h12

Segundo o chefe de polícia de Arauca, Coronel Camilo Álvarez, um homem em uma motocicleta tentou parar o comboio da candidata, mas nenhum dos oito a dez tiros atingiu o veículo de Avella. Em entrevista à rádio, ela disse que não soube do ocorrido no momento dos disparos.

O partido de Avella, União Patriótica, foi formado em 1980 de uma ala política das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), que possui forte presença no estado de Arauca.

As pesquisas de opinião indicam que Avella possui menos de 10% dos votos potenciais para as eleições de maio. Avella retornou recentemente à Colômbia, depois de 17 anos exilada na Suíça. Em 1996, a candidata foi alvo de uma tentativa de assassinato. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Colômbiaataque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.