Hamza Al-Ajweh/AFP
Hamza Al-Ajweh/AFP

Comboio humanitário consegue entregar ajuda em Ghouta, diz Cruz Vermelha

Apesar da violência continuar na região, a equipe distribuiu 2.400 pacotes de comida suficientes para 12 mil pessoas durante um mês

EFE

09 Março 2018 | 16h29

BEIRUTE - O comboio humanitário que entrou nesta sexta-feira, 09, em Ghouta Oriental, o principal reduto dos opositores nos arredores de Damasco (Síria), conseguiu entregar a ajuda, apesar de a violência continuar na região, informou o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

O CICV afirmou em comunicado que sua equipe, em parceria com o Crescente Vermelho na Síria e a Organização das Nações Unidas (ONU), distribuiu 2.400 pacotes de comida suficientes para 12 mil pessoas durante um mês e 3.248 sacos de farinha na cidade de Duma, em Ghouta Oriental. O Observatório Sírio de Direitos Humanos tinha informado mais cedo que foram registrados bombardeiros em Duma, a maior cidade da região, pouco antes de a chegada do comboio.

+++ Assad promete continuar ofensiva em Ghouta, na Síria

"Os combates que aconteceram nos surpreenderam, porque as partes envolvidas neste conflito garantiram que as ajudas humanitárias podiam entrar em Duma. É imprescindível que essas garantias sejam renovadas e respeitadas no futuro para que mais ajuda entre nos próximos dias", declarou o diretor regional do CICV para o Oriente Médio, Robert Mardini.

Ele aproveitou para ressaltar que "a segurança dos trabalhadores humanitários, assim como a dos civis, deveria ser garantida sempre".

+++ Primeiro comboio de ajuda humanitária chega a Ghouta Oriental

Em declarações à Agência Efe dadas por e-mail, a responsável de informação do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) na Síria, Linda Tom, detalhou que o comboio distribuiu hoje a assistência que não conseguiu dar na segunda-feira passada em Duma, e acrescentou que a ajuda não incluía provisões médicos.

+++ Bombardeios do governo sírio impedem chegada de ajuda humanitária em Ghouta Oriental

No início desta semana, uma carga com ajuda entrou em Ghouta Oriental pela primeira vez desde o início da ofensiva, mas teve que sair sem entregar toda a carga por causa dos bombardeios na região. Desde 25 de fevereiro, Ghouta sofre uma ofensiva terrestre do Exército sírio e dos seus aliados, que foi precedida por um aumento dos bombardeios feitos por aviões sírias e russos e de disparos de artilharia das forças governamentais, que já tiraram a vida de 931 civis, de acordo ao Observatório.

De acordo com a ONU, 70% das provisões médicas dessa carga foram retirados pelas autoridades sírias num posto de controle antes da entrada em Ghouta. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.