Maxar Technologies/Handout via REUTERS/File Photo
Maxar Technologies/Handout via REUTERS/File Photo

Comboio russo sinaliza mudança na estratégia de invasão da Ucrânia

Segundo especialistas, os russos poderiam usar o comboio em um movimento de pinça para cortar o nordeste do país

Megan Specia, The New York Times, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2022 | 14h01

Tem sido uma presença ameaçadora na guerra na Ucrânia: imagens de satélite mostram um comboio militar que se estende por 64 quilômetros de comprimento em uma estrada ao norte de Kiev, com várias casas e prédios sendo vistos queimando nas proximidades.

Especialistas temem que o comboio, que inclui suprimentos e veículos de ataque blindados, possa ser usado para cercar e isolar a capital ou para lançar um ataque total. A extremidade dianteira do comboio fica a apenas 30 quilômetros da capital.

“O que estamos vendo é basicamente a Fase 2, que é uma mudança para uma guerra muito mais brutal, sem tato e irrestrita, que levará a muito mais baixas civis e batalhas mais sangrentas”, disse Mathieu Boulègue, especialista em guerra russa na Chatham House, um instituto de liderança política em Londres.

Embora os militares ucranianos tenham poder aéreo e mísseis capazes de atingir o comboio, suas habilidades são limitadas. Alvejar um comboio tão longo apresentaria seus próprios desafios, além de arriscar incitar a Rússia a retaliar.

“Os ucranianos que atacam do ar teriam que tomar a decisão de pegar sua Força Aérea muito limitada e ir atrás de um alvo muito difícil”, disse Frederick W. Kagan, diretor do projeto Ameaças Críticas do American Enterprise Institute, que fez parceria com o Institute of the Study of War para fornecer atualizações sobre a invasão russa. Ele observou que os militares russos provavelmente estão defendendo o comboio de forma agressiva.

Também é possível que os comandantes ucranianos estivessem esperando para enfrentar os veículos blindados até entrarem em Kiev, onde poderiam ser mais facilmente destruídos enquanto confinados nas ruas da cidade e onde os bairros poderiam fornecer muitos esconderijos e proteção para soldados disparando mísseis antitanque. 

Especialistas alertaram que ainda é muito cedo para dizer o propósito exato do comboio. Os russos poderiam usar o comboio em um movimento de pinça para cortar o nordeste do país. Mas eles disseram que a Rússia parecia estar adaptando sua estratégia inicial.

Sob essa estratégia, os líderes do Kremlin presumiram erroneamente que as forças ucranianas sofreriam uma derrota rápida contra um exército russo superior e que as forças russas poderiam rapidamente tomar grandes cidades sem muita luta. Em vez disso, foram paralisados pela forte resistência dos militares e cidadãos ucranianos que pegaram em armas.

Então, o que sabemos sobre este comboio? O excesso de nuvens tornou difícil obter uma visão contínua ou completa da área ou uma noção clara do movimento do comboio. Não ficou claro se os prédios e casas vistos em chamas foram atacados.

O comboio está pontilhado ao longo de uma estrada que se estende do aeroporto Antonov ao norte em direção à vila de Prybirsk por aproximadamente 60 quilômetros, de acordo com a Maxar Technologies, que divulgou as imagens.

Inclui caminhões de abastecimento de alimentos para soldados e combustível para veículos, mas a maior parte, na avaliação de Boulègue, é composta por quilômetros e quilômetros de artilharia pesada.

O comboio não é uma linha contínua. Alguns veículos estão espaçados uns dos outros, enquanto em algumas seções dois ou três veículos militares estão se movendo lado a lado pela estrada. Kagan disse que era notável que o comboio não fosse inteiramente composto de veículos de ataque.

Um funcionário do Pentágono disse na terça-feira que as forças russas foram afetadas pela escassez de combustível, alimentos e peças de reposição. Kagan disse que vários caminhões na coluna provavelmente continham suprimentos essenciais para evitar mais problemas logísticos.

Kagan observou que quando a Rússia inicialmente concentrou suas forças, em particular na fronteira bielorrussa antes de seu avanço, não parecia ter construído o tipo de base logística normalmente mobilizada antes de um ataque ser lançado. Isso, disse ele, ajudou a explicar por que a incursão da Rússia não conseguiu capturar rapidamente a capital.

Embora não seja incomum que uma força invasora tenha tais desafios logísticos, ele disse que é incomum persistir vários dias em uma invasão e em uma operação militar na qual o presidente Vladimir Putin passou pelo menos meses se preparando.

"Isso reflete o fato de que esta invasão foi de fato mal planejada, mal preparada e está sendo mal conduzida", disse Kagan. “Essa coluna reflete, em parte, que a Rússia lutou para se ajustar aos problemas que eles criaram pela maneira como prepararam e conduziram esse ataque.”

Apesar do poder de fogo e dos recursos superiores da Rússia, visíveis nos quilômetros de armamento fora de Kiev, Kagan disse que o resultado da batalha não será uma conclusão inevitável, observando como as forças e civis da Ucrânia mostraram uma resiliência inesperada. "Eu protegeria essa aposta", disse ele.

Megan Specia é correspondente do International Desk em Londres, cobrindo o Reino Unido e a Irlanda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.