Começa a faltar petróleo em Cuba

O vice-presidente de Cuba, Carlos Lage, reconheceu hoje que a ilha caribenha não recebe petróleo proveniente da Venezuela há duas semanas, em conseqüência da grave crise política e da greve geral decretada pela oposição contra o governo do presidente Hugo Chávez. "Trata-se de uma situação de emergência, excepcional, determinada pelas dificuldades que essa nação atravessa em conseqüência das ações desestabilizadoras da oposição fascista" denunciou Lage. O também secretário executivo do Conselho de Ministros cubano informou que o governo de Havana já elaborou "planos para enfrentar o aumento ainda maior dos preços do petróleo a fim de enfrentar de maneira ordenada as restrições e garantir as necessidades mais vitais da população". Cuba e Venezuela subscreveram em outubro de 2000 um acordo energético mediante o qual Caracas fornece 53.000 barris diários de petróleo a Havana a preços de mercado, mas com facilidades de pagamento e juros baixos. Ambos os países mantêm fluidas relações, favorecidas pela amizade pessoal entre ambos os presidentes, Fidel Castro e Hugo Chávez, mas a oposição venezuelana rejeita os vínculos com a ilha caribenha e, de fato, a primeira decisão do fugaz governo golpista que se instalou em Caracas em 11 de abril foi a de suspender os acordos petrolíferos entre os dois países.

Agencia Estado,

22 Dezembro 2002 | 18h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.