Começa a segunda votação para escolher o presidente italiano

O Parlamento italiano iniciou nesta terça-feira a segunda votação para escolher o presidente da República, depois que nenhum dos candidatos conseguiu o respaldo necessário para substituir o atual chefe do Estado, Carlo Azeglio Ciampi, em uma primeira rodada realizada na segunda-feira.Tudo indica que desta segunda rodada também não sairá o novo presidente, uma vez que a centro-esquerda liderada por Romano Prodi adiantou que tem intenção de votar em branco, como fez na véspera, à espera de alcançar um acordo com a centro-direita sobre o candidato.A coalizão de Prodi, União, propôs o senador vitalício Giorgio Napolitano, de 81 anos, o qual, segundo a imprensa italiana, seria apoiado também por alguns partidos da centro-direita, entre eles a Aliança Nacional e a União dos Democratas-Cristãos (UDC).A federalista Liga Norte se opõe taxativamente a Napolitano e tem ameaçado abandonar a coalizão do primeiro-ministro interino, Silvio Berlusconi, se seus membros votarem neste candidato a presidente.Prodi, vencedor das eleições de 9 e 10 de abril, indicou nesta terça que sua aliança votará novamente em branco para dar "um apoio forte à candidatura de Napolitano"."Esperemos que o acordo não esteja muito longe", acrescentou Prodi.O secretário-geral de Democratas de Esquerda (DS), Piero Fassino, mostrou sua esperança de que "a centro-direita consiga resolver suas divisões internas e decidir o mais razoável, ou seja, unir seus votos aos da centro-esquerda para eleger Giorgio Napolitano presidente".A coalizão de Berlusconi apresentou Gianni Letta, de 71 anos, e mão direita do "Cavaliere" como candidato. Na segunda-feira, ele obteve 369 votos.Para ser eleito nas três primeiras rodadas de votação, são necessários dois terços dos votos, ou seja, o respaldo de 673 dos 1.009 eleitores (deputados, senadores e representantes regionais).A partir da quarta votação, a eleição ocorre com maioria simples. Neste caso, a União terá os votos suficientes para eleger seu candidato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.