Começa na terça assembléia da ONU sobre aids

Três questões dominarão o debate sobre oprimeiro plano de ação global contra a epidemia de HIV/Aids - oprincipal resultado esperado da sessão especial da AssembléiaGeral das Nações Unidas que a partir de amanhã reúne trêsmil representantes de governos, organizações cívicas ehumanitárias, entidades filantrópicas e empresas farmacêuticasem Nova York. Fora da sede da ONU, centenas de manifestantes iniciaram ontemprotestos que devem se repetir nos três dias do encontro. O tema mais importante é a busca de um equilíbrio entreprevenção e tratamento nas estratégias de combate à doença, quenas últimas duas décadas atingiu 58 milhões de pessoas, matou 22milhões, cresce na antiga União Soviética, no Caribe e doSul-Sudeste da Ásia e já é uma catástrofe na África, onde vivemdois terços dos 36 milhões de portadores. Até recentemente, especialistas de países ricos e pobrestendiam a minimizar os investimentos no tratamento, por causa dopreço exorbitante do coquetel anti-retroviral e das dificuldadesdo sistemas nacionais de saúde de administrá-lo. O segundo tópico das discussões é falta de dinheiro para darsubstância ao compromisso que a maioria dos países assumiu paracombater a doença. A outra questão é saber quem administrará ofundo global, cujos recursos apoiarão os programas nacionais decombate a aids, malária e turbeculose (a doença que mata metadedas pessoas infectadas) nos países pobres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.