Nils Meilvang/Scanpix/Reuters
Nils Meilvang/Scanpix/Reuters

Começam negociações para novo governo dinamarquês

Premiê eleita Helle Thorning-Schmidt terá desafio de montar coalizão com centro e extrema esquerda

REUTERS,

16 Setembro 2011 | 11h36

COPENHAGUE - A primeira-ministra eleita da Dinamarca, Helle Thorning-Schmidt, iniciou nesta sexta-feira a complicada tarefa de montar uma disparatada coalizão de centro-esquerda, após uma eleição que encerrou dez anos de governos direitistas no país.

 

Os jornais dinamarqueses imediatamente questionaram a longevidade da sua coalizão, apontando as profundas diferenças existentes entre os partidos do chamado Bloco Vermelho, que abrange desde centristas tradicionais até a extrema esquerda.

 

Valendo-se do descontentamento do eleitorado com a situação econômica sob o governo do premiê Lars Lokke Rasmussen, o Bloco Vermelho formou uma maioria de apenas cinco deputados (em um total de 179), segundo resultados preliminares. O comparecimento às urnas foi elevado, de 87,7 por cento.

 

Rasmussen deve apresentar formalmente sua renúncia na sexta-feira, permitindo que a social-democrata Thorning-Schmidt se torne a primeira mulher a ocupar o cargo no país.

 

"Com uma base parlamentar consistindo de partidos em profunda disputa mútua a respeito da maioria das questões importantes na sociedade, a vitória eleitoral de ontem à noite pode se transformar em um triunfo efêmero para Thorning-Schmidt", escreveu o jornal Berlingske.

 

Os maiores vitoriosos nas urnas foram a Aliança Vermelha e Verde, de extrema esquerda, e o centrista Partido Social Liberal - que apoiam Thorning-Schmidt, mas discordam em praticamente todo o resto. Os social-democratas, da futura premiê, na verdade perderam espaço no Parlamento e serão apenas a segunda força, atrás do Partido Liberal, de Rasmussen.

 

"Esse é um desafio político", disse Jorgen Elklit, cientista político da Universidade de Aarhus. "Certamente vai levar dias, talvez semanas para que se forme um governo."

 

A primeira tarefa será econômica. A plataforma de Thorning-Schmidt inclui aumento de gastos públicos, elevação dos impostos sobre os ricos e um estranho plano para aumentar a jornada de trabalho em 12 minutos por dia. A hora extra semanal, argumenta o grupo dela, pode dar um impulso à economia.

 

O Nordea, maior banco nórdico, disse em nota aos seus clientes que a troca de governo pode resultar em aumento nos gastos públicos.

 

A Dinamarca não participa da zona do euro e por isso tem sido poupada do trauma vivido por outras nações em decorrência dos pacotes de ajuda a países como a Grécia, questão que causa indignação popular na vizinha Alemanha.

 

Mas a crise econômica transformou os outrora sólidos superávits dinamarqueses em um déficit que deve alcançar 4,6 por cento do PIB no ano que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.