Comemoração de aniversário começa sem presença de Fidel

O presidente cubano, Fidel Castro, não compareceu ao início das comemorações de seu 80º aniversário, no teatro Karl Marx, de Havana, na terça-feira. Apenas deu boas-vindas aos cerca de convidados 1.500 convidados de 80 países, por meio de uma mensagem lida no local. "Ao dirigir-me aos senhores, personalidades prestigiosas do mundo, estava diante de um dilema. Não podia reunir todos num pequeno local. Só no teatro Karl Marx cabiam todos os visitantes e eu não estava em condições, segundo os médicos, de enfrentar um encontro tão grande. Optei então por falar a todos desta forma", disse Castro no início da mensagem. Na mensagem, Fidel afirma que o povo dos Estados Unidos não deixará George W. Bush acabar seu mandato presidencial. "Enfrentamos um adversário que levou os EUA a um desastre de tal magnitude, que quase certamente o próprio povo americano não permitirá que ele conclua seu mandato presidencial", diz a mensagem. O texto foi lido por um locutor num auditório que contou com a presença dos vice-presidentes Carlos Lage e Esteban Lazo, do ministro das Relações Exteriores, Felipe Pérez Roque, e do presidente da Assembléia Nacional (Parlamento), Ricardo Alarcón, entre outros. O presidente em exercício, Raúl Castro, irmão de Fidel, não compareceu. Cuba iniciou os festejos do aniversário de Fidel Castro com uma série de atos programados pela Fundação Guayasamín, que vão até sexta-feira. No sábado, haverá um desfile militar. Autoridades cubanas afirmam que 1.500 convidados de 80 países participarão das celebrações, entre eles os presidentes Evo Morales (Bolívia), René Préval (Haiti) e o recém-eleito Daniel Ortega (Nicarágua). O venezuelano Hugo Chávez, amigo e principal aliado de Fidel, não irá porque disputa a reeleição no Domingo. O aniversário de Fidel ocorreu em 13 de agosto, mas a celebração foi adiada, a pedido dele, para coincidir com o 50º aniversário do dia em que ele e seus seguidores desembarcaram em Cuba no barco Granma, para a revolução que seria vitoriosa em 1959. Fidel foi operado em julho. Sua doença não foi revelada e o líder não é visto em público desde 28 de outubro, data em que apareceu em um vídeo para desmentir rumores sobre sua morte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.