Comemorados os 50 anos do armistício da guerra da Coréia

Veteranos de guerra de todo o mundo, alguns em cadeiras de rodas e outros exibindo medalhas de mérito militar, comemoraram neste domingo o 50º aniversário do armistício que pôs fim à Guerra da Coréia. A cerimônia se realizou em meio a preocupações com o programa de armas nucleares da Coréia do Norte. Sob uma chuva insistente, mais de 1.000 veteranos se reuniram em uma tenda na parte sul de Panmunjon, a aldeia fronteiriça onde foi assinado o armistício. O cessar-fogo pôs fim a três anos de guerra que deixaram 5 milhões de mortos, feridos ou desaparecidos. Na guerra se enfrentaram a Coréia do Sul, apoiada por uma força das Nações Unidas liderada pelos EUA, contra a Coréia do Norte, que contou com tropas de infantaria chinesas e com ajuda militar soviética. A cerimônia de hoje se realizou perto da linha de demarcação que separa as duas Coréias, mas houve poucos sinais de atividade no lado norte, onde apenas um sentinela montava guarda. O governo de Pyongyang celebrou o aniversário como se fosse um triunfo. A Guerra da Coréia (1950-1953) terminou sem um tratado de paz. As tensões prosseguiram ao longo das décadas e - em meio a esforços diplomáticos para uma reaproximação entre ambas, que deram o prêmio Nobel da Paz de 2000 ao então presidente sul-coreano, Kim Dae-jung - cresceram no ano passado, devido ao programa de armas nucleares da Coréia do Norte.

Agencia Estado,

27 Julho 2003 | 20h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.