Comentários de Romney deixam palestinos indignados

O candidato à presidência dos Estados Unidos pelo Partido Republicano, Mitt Romney, deixou os palestinos indignados nesta segunda-feira. Em Israel, durante evento de arrecadação de fundos para sua campanha, ele disse à doadores judeus que a cultura deles é responsável pelo sucesso econômico de Israel, em contraste com os vizinhos palestinos.

AE, Agência Estado

30 de julho de 2012 | 12h28

Os palestinos sentiram-se ofendidos, notando que Romney ignorou o histórico israelense de ocupar terras da Palestina e seu controle estrito do acesso à Cisjordânia. Ele também não falou do bloqueio econômico que Israel impõe à Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas.

Os comentários do republicano procuram atrair eleitores judeus nos Estados Unidos, que, de acordo com a mais recente pesquisa do Instituto Gallup, em sua maioria pretendem votar no atual presidente Barack Obama. A pesquisa mostra que Obama tem 68% das intenções de voto dos judeus, contra 28% de Romney.

O Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) já disseram diversas vezes que a economia palestina só poderá crescer se Israel encerrar as restrições.

Ao falar da economia israelense, Romney destacou a cultura e a "mão da Providência". "Quando você vem e vê o PIB per capita, por exemplo, que em Israel é de cerca de US$ 21 mil, e compara com o PIB per capita das áreas controladas pela Autoridade Palestina, que é em torno de US$ 10 mil, você percebe a diferença dramática em vitalidade econômica", disse o candidato para cerca de 40 doadores ricos durante um café da manhã no luxuoso hotel King David. "Quando considero as conquistas das pessoas desta nação, reconheço o poder da cultura e poucas outras coisas".

"É uma declaração racista e esse homem não entende que a economia palestina não pode alcançar seu potencial por causa da ocupação israelense", afirmou Saeb Erekat, um dos principais auxiliares do presidente Mahmoud Abbas. "Parece que este homem tem falta de informação, conhecimento, visão e entendimento sobre a região e sua população", acrescentou Erekat. "Ele também não tem conhecimento sobre os próprios israelenses. Eu nunca ouvi uma autoridade de Israel falar sobre superioridade cultural".

A viagem à Israel faz parte de uma turnê internacional destinada à mostrar Romney com um líder mundial. Ele chega ainda nesta segunda-feira na Polônia. Sua primeira parada foi no Reino Unido, onde casou polêmica ao criticar a preparação do país para as Olimpíadas. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelPalestinaRomney

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.