Comércio ainda mantém raízes tradicionais

Como todas as cidades pobres e ainda influenciadas pela vida rural, Cabul é feita de mercados de rua. Em torno da mesquita Pul-e Khishti, no centro antigo da capital afegã, barracas e pequenas bancas se espalham em intrincados corredores, ocupam calçadas e avançam sobre o asfalto.

CABUL, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2014 | 02h00

Barbeiros recebem seus clientes sentados em pequenos bancos ao ar livre, sapateiros oferecem seus serviços enquanto permanecem encostados no muro da mesquita e afiadores de faca exercem seu ofício na mesma viela onde são vendidos pássaros e coelhos.

É possível comprar roupas, tecidos, pães, gaiolas, tapetes, especiarias e inseticidas. Também estão à venda perus e galos - vivos. No meio de tudo isso, barracas com grandes chapas aquecidas preparam kebabs ou fígado, enquanto outras vendem suco de romã.

As ruas borbulham, ocupadas principalmente por homens vestidos com roupas tradicionais afegãs.

Em outro mercado próximo da mesquita, cortes de madeira e pedras para construção são vendidos ao ar livre, de um lado da rua. Do outro, tendas grandes cobrem rebanhos de carneiros, a matéria-prima dos kebabs e de grande parte da culinária afegã.

Resistência. Apesar de 13 anos de ocupação americana, não há McDonald's nem qualquer outro símbolo de influência ocidental nas ruas de Cabul. A exceção são os bens de consumo industrializados.

Com uma economia precária, o país fabrica poucos dos produtos vendidos no mercado interno. A maioria dos carros é Honda e muitos dos celulares são Samsung e Nokia.

A rede americana de fast food Kentucky Fried Chicken (KFC) é inexistente, mas, desde 2008, a capital afegã tem um Kabul Fried Chicken, uma primeira incursão no segmento que logo ganhou seus próprios imitadores locais na cidade.

Os tapetes são um dos produtos de excelência do Afeganistão e muitos dos motivos com que os de pequeno tamanho são estampados refletem a violenta história das últimas três décadas e meia.

Alguns trazem tanques e helicópteros de guerra. E muitos retratam Ahmad Shah Massoud, o guerrilheiro islâmico que combateu os soviéticos e o Taleban e foi morto em um atentado da Al-Qaeda dois dias antes dos ataques terroristas contra as Torres Gêmeas, em 11 de setembro de 2001. / C.T.

Mais conteúdo sobre:
Afeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.