Comida está acabando em navio ucraniano, dizem piratas

A comida e a água estão acabando no navio ucraniano seqüestrado por piratas somalis, afirmou hoje o porta-voz dos piratas, Sugule Ali. Falando por telefone via satélite, Ali advertiu ainda que se a embarcação fosse atacada seus 20 tripulantes seriam mortos. O MV Faina foi capturado em 25 de setembro. O navio leva tanques e outras armas de fabricação russa e os piratas pediram inicialmente US$ 20 milhões em resgate. Segundo a empresa que opera o navio, Tomex Team, a negociação já estava em torno de US$ 1 milhão. O porta-voz dos piratas, porém, negou tal informação. "Isso não vale nada", zombou Ali. "Isso pagaria apenas algumas noites em um hotel." Porém o porta-voz negou-se a dizer em quanto estava a negociação. Ainda segundo Ali, a comida estava acabando, porém os tripulantes não passariam fome antes dos piratas. "Nós somalis não comemos diante de uma pessoa faminta", afirmou. O Escritório Marítimo Internacional afirmou hoje que os piratas somalis são responsáveis por quase um terço de todos os ataques contra embarcações. Segundo a entidade, 63 dos 199 ataques do tipo registrados nos primeiros nove meses do ano ocorreram nas águas da Somália e no Golfo de Áden, nas proximidades. No mesmo período do ano passado os piratas somalis haviam cometido 36 ataques. O diretor do instituto Pottengal Mukundan apontou que de particular importância era o problema no Golfo de Áden, importante rota de transporte de petróleo. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.